Gás

Apesar da proibição legal, muitos condomínios em São Paulo permanecem com o uso de botijões de 13 kg no interior dos apartamentos, colocando em risco a segurança do empreendimento e, principalmente, das pessoas.

Um prédio residencial sofreu sérios danos no mês de maio no Rio de Janeiro depois da explosão causada pelo acúmulo de gás em um dos apartamentos. O morador da unidade morreu dias depois, vítima dos ferimentos.

Condomínios extraem benefícios de uma “boa briga” de mercado que envolve a distribuição do Gás Natural e do GLP. Ambos os segmentos ampliam os serviços às edificações e oferecem, entre outros, alternativa de cobrança individualizada e cobertura total ou parcial dos custos de adaptação. Quem ganha é o consumidor, apontam os síndicos.

Autarquia federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) dispõe de portarias que contém especificações mínimas para medidores individuais de gás instalados nos domicílios e também dos veículos transportadores do GLP. “O Inmetro aprova o modelo de medidores de gás (Portaria 31/97) para determinação individualizada do consumo e aprova os medidores tipo turbina (Portaria 114/97) para grandes consumidores”, afirma Marcelo Freitas, chefe da Divisão de Articulação e Regulamentação Técnica Metrológica do órgão.

O presidente do Sindigás, Sergio Bandeira de Mello, que representa o segmento do GLP, apresenta a seguir, em entrevista à Direcional Condomínios, um balanço da expansão do mercado de Gás Liquefeito de Petróleo de uso nos domicílios residenciais e aborda a modernização dos serviços nesta área.

O mercado da distribuição do gás aos condomínios nos principais centros urbanos do Estado de São Paulo procura oferecer hoje serviços parecidos, como a individualização do consumo; apoio financeiro integral ou parcial à adaptação dos equipamentos nos prédios e apartamentos; abastecimento contínuo; e assistência técnica. É o caso da Comgás, concessionária de distribuição do Gás Natural em São Paulo (além de Grande São Paulo, Campinas, Baixada Santista, entre outros) e de empresas que fazem engarrafamento e abastecimento do GLP (Gás Liquefeito de Petróleo).

No Brasil, as distribuidoras de gás combustível tem o dever legal de disponibilizar a todos os consumidores: apoio, orientação e assistência técnica - prestada por uma equipe de profissionais qualificados que deve estar apta para atender às eventuais reclamações do consumidor e a realizar os seguintes serviços:

Uma revisão geral nos equipamentos e instalações de gás nos apartamentos é uma ótima medida preventiva contra vazamentos e acidentes. Além dos fogões, os aquecedores de água devem ser vistoriados uma vez ao ano, orienta Sérgio Moisés, consultor na área de gás. “Se o aquecedor está com a chama avermelhada ou alaranjada, não alcança a temperatura ideal. Sua chama não é rica e na verdade ele está gastando mais gás”, informa, acrescentando que o aquecedor também pode estar com vazamento, de gás ou de água. “A manutenção é mais econômica e saudável ao consumidor. Deve-se exigir o uso de produtos normatizados e procurar sempre uma assistência técnica autorizada pelo fabricante”, diz.

O sistema de gás de um condomínio é composto pelo conjunto de tubulações e equipamentos, aparentes ou embutidos, destinados ao transporte e controle de fluxo de gases. O sistema de instalações de gás pode ter duas origens: no ponto de fornecimento da companhia concessionária do serviço público de abastecimento de gás (gás de nafta ou gás natural) ou nos reservatórios de GLP (gás liquefeito de petróleo). Desses pontos, partem as ramificações para os apartamentos.

Apostar na manutenção preventiva é a melhor garantia contra acidentes envolvendo gás. “Quando se utiliza ou manipula gás, o principal risco de acidentes é quanto a vazamentos”, diz Herculano Gonzaga de Carvalho, administrador de condomínios e coronel reformado do Corpo de Bombeiros. Nos apartamentos, é indicado checar vazamentos em todo ponto onde exista emenda de tubulação e nos controles do fogão, por exemplo, sempre utilizando espuma de sabão. Deve-se ainda manter o registro do gás fechado à noite ou durante ausências prolongadas dos moradores. Mas o vazamento também pode estar nas tubulações. Para fazer essa verificação, o indicado é procurar a companhia fornecedora de gás.

Descoberto em 1609, pelo químico holandês Jan Baptista Van Helmont, o gás representou uma revolução para a vida moderna. A iluminação artificial foi o primeiro avanço de importância, sendo que as primeiras lâmpadas a gás começaram a iluminar Londres em 1807.

Todo cuidado é pouco quando se trata de transportar e armazenar gás LP e diesel no condomínio.