Implantação de condomínio

A fase de entrega da obra e início da ocupação representa um momento atribulado na vida do condomínio, o que demanda “esforço coletivo”, define o advogado Rodrigo Karpat. Ele e demais especialistas orientam síndicos e condôminos a reservarem atenção especial às garantias da construção.

O condomínio recém-implantado passa por diversas transformações no período de um a quase dois anos após sua instituição. É natural que os novos proprietários cheguem cheios de ideias e de muita boa vontade para mudar ou transformar aquele local. Mas é preciso pensar de forma coletiva.

Saiba os passos que um síndico deve dar para que não haja problemas no momento de estabelecer um novo empreendimento

A Construtora MPD tem marcado a paisagem de Alphaville e Tamboré, bairros que se espalham entre os municípios de Santana do Parnaíba e Barueri, na Grande São Paulo, com grandes empreendimentos imobiliários verticalizados, de várias torres. É o caso dos Jardins de Tamboré, composto por cinco edifícios e 299 apartamentos de classe média, além de ampla área de lazer.
Segundo o fundador da empresa, o engenheiro civil Mauro Piccolotto Dottori, a entrega dos condomínios pela construtora costuma ser precedida de uma pré-vistoria contratada junto a uma empresa terceirizada e acompanhada de sua equipe de engenharia.

Utilizar os "talentos profissionais dos condôminos" é uma boa alternativa para facilitar a implantação de um empreendimento, afirma Sérgio Meira de Castro Neto, diretor de Condomínios da Vice-Presidência de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP. Ele e Omar Anauate, diretor de Condomínios da Aabic (Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo), deixam a seguir outras dicas aos síndicos dos novos empreendimentos.

Após a Assembleia Geral de Instalação, com a eleição de Roseane, um engenheiro foi contratado pelo condomínio para subsidiar a vistoria das áreas comuns e o chamado "aceite da obra". Entre as pendências que ficaram com a construtora, estava a "fidelização da fachada" ao material publicitário de divulgação do empreendimento. "É um trabalho dinâmico, ainda temos itens que estão sendo corrigidos ou equalizados." Roseane destaca que desde o princípio teve grande apoio de condôminos engenheiros e integrantes do corpo diretivo. De outro modo, os engenheiros da construtora deram expediente no condomínio durante os seis primeiros meses.

A gestação de um condomínio é longa, 'dura' e dispendiosa. Parte da legalização deve ser feita pelo construtor, como o registro de incorporação imobiliária junto da Convenção, além da obtenção do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) e do Habite-se. Mas depois vem uma etapa bastante trabalhosa aos síndicos e corpo diretivo, que poderá ser facilitada com organização e compartilhamento das decisões.

O condomínio começa a ser moldado já durante a construção. Conheça os passos principais de todo o processo de instalação do condomínio.

Um prédio recém-inaugurado, com instalações, pinturas e moradores novos pode ser o sonho da ‘administração perfeita’ para muitos síndicos. A ideia surge a partir do conceito que há menos trabalho num prédio onde tudo novo impera. O gerente administrativo Gilberto Souza acredita que realmente é mais fácil, desde que se tenha uma boa administradora, um bom gestor e uma boa equipe de segurança e limpeza. “A vantagem é que, conforme os moradores começam a ocupar o prédio, você consegue discipliná-los quanto ao uso da área comum, por exemplo”, diz. Ele afirma ainda que a manutenção é mais barata, o que traz alívio aos condôminos.

Além dos procedimentos legais, processo exige avaliação da infraestrutura e aquisição de equipamentos.