8º Encontro das Síndicas: O compromisso com a gestão ética

Escrito por 

O “sucesso” na gestão de um condomínio exige grande dose de “segurança” e “sossego”, desde o ponto de vista jurídico ao patrimonial, predial e nas relações humanas. Pois os síndicos são designados para administrar os interesses e o bem-estar de uma coletividade.

E em um País sacudido pela urgência da Ética nos mais diferentes setores da sociedade, a Direcional Condomínios promoveu o 8º Encontro das Síndicas enfatizando posturas e cuidados que possibilitem alcançar esses propósitos (Sucesso, Segurança e Sossego) com lisura e eficiência.

As palestras foram ministradas pela Profa. Rosely Schwartz, pelo especialista em segurança do trabalho, João Carlos Tobias, e pelo advogado Cristiano De Souza Oliveira. Foi mais um encontro bem-sucedido, realizado no dia 06/02 sob o patrocínio das empresas ELEVADORES PRIMAC, STAR LIGHT (Terceirização) e VEDA SEMPRE (Injeção capilar), com o objetivo de prestar uma justa homenagem às gestoras dos condomínios, em função do Dia Internacional da Mulher (Comemorado em 08 de março).

Sob o tema guarda-chuva “Os ‘S’ da Gestão das Síndicas: Sucesso, Segurança e Sossego”, a Direcional Condomínios promoveu três palestras no Encontro Especial em Homenagem a essas gestoras, no dia 6 de fevereiro passado, em São Paulo. O objetivo foi valorizar a adoção de posturas éticas em prol do equilíbrio financeiro, da preservação do patrimônio, da relação com o condômino, da prestação de contas, da segurança do trabalho e da segurança jurídica face à nova legislação trabalhista

. Do ponto de vista da administração geral do condomínio, a Profa. Rosely Schwartz propôs que as síndicas adotem um Código de Conduta, inspirando atitudes exemplares no ambiente do condomínio. Para isso, é essencial que sua gestão administrativa e financeira nunca deixe dúvidas nem dê margem a qualquer tipo de vantagem a quem quer que seja, enfatizou Rosely. As ações pautadas pela lisura e transparência seriam um primeiro e importante passo para o sucesso da gestão, disse. Administradora e contabilista, a professora é responsável pelos cursos de administração de condomínios da Escola Paulista de Direito (EPD). Também coordena o Grupo de Excelência de condomínios junto ao Conselho Regional de Administração (CRA-SP).

CONDUTA ÉTICA

Rosely Schwartz

*Profa. Rosely Schwartz: Síndicas podem ser exemplo de boa conduta”

Segundo Rosely, o Código de Conduta deve ser esclarecido a todos que participam da gestão, incluindo os funcionários, “deixando claro o que é importante enquanto valor de comportamento e o que se espera deles”. Ele pressupõe ainda o atendimento à legislação e às regras, a atenção aos contratos, a previsão de sanções e o comprometimento com a segurança, a mitigação de riscos, a conservação do prédio, entre outros. Sua aplicação deve ter o apoio de ferramentas que auxiliem um controle permanente da gestão, como o compliance (uma metodologia que estabelece procedimentos e permite identificar divergências, corrigir falhas etc.).

Além disso, o Código de Conduta inclui a responsabilidade das gestoras em treinar a equipe e em comunicar com rapidez e linguagem objetiva todos os processos aos condôminos. “A comunicação precisa ser oficial, evitando ruídos como o famoso ‘rádio peão’. Ela pode ocorrer através de circulares, e-mails, livros de ocorrência e atendimento pessoal da síndica, em dia e horário previamente estabelecido.” Rosely Schwartz destacou algumas atitudes que considera éticas na administração cotidiana do prédio, como a exigência de nota fiscal de todo serviço e compra, independentemente do seu valor; o cuidado com a consolidação entre o extrato bancário e o demonstrativo financeiro do condomínio; a adoção de um exercício contábil compatível com o mês de referência; a utilização do regime de caixa e não o de competência; o uso de contas bancárias próprias (e não pool); e o cumprimento do orçamento anual.

A professora reconheceu que isso tudo representa “grande esforço” e que, muitas vezes, “as síndicas se sentem desmotivadas e tristes por não terem o reconhecimento da sua dedicação, mas temos que ir em frente e mostrar força, porque em algum momento o resultado será reconhecido”.

SEGURANÇA DO TRABALHO

Rosely Schwartz

João Carlos Tobias, especialista em segurança do trabalho: 150 obrigações legais impõem responsabilidades mútuas, a empregadores e empregados

A segurança do trabalho representa um capítulo especial nessa preocupação com a ética e o sucesso, conforme expôs João Carlos Tobias, administrador especialista na área. João Carlos atuou na Polícia Científica do Estado de São Paulo por 37 anos. Em palestra de abertura do Encontro das Síndicas, ele destacou que o Brasil possui 150 obrigações relativas à saúde, salubridade e proteção dos trabalhadores, como o uso de Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) e Individual (EPI), a formação de Cipas no local do trabalho, o atendimento às normas regulamentadoras instituídas pelo Ministério do Trabalho (a exemplo do trabalho em altura - NR 35; e do trabalho com eletricidade - NR 10), o desenvolvimento de PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) e de PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), entre muitos outros.

Diante de tamanho emaranhado, João Carlos destacou às síndicas presentes que cuidados importantes acabam despercebidos no dia a dia, mesmo que haja uma atenção das gestoras com o tema. Mas são regras fundamentais à proteção dos indivíduos. “Temos a obrigação de preservar a vida de nossos colaboradores e de fazer com que eles tenham consciência da importância disso”, ressaltou, lembrando que o Brasil responde pelo 4º lugar no mundo nas estatísticas de acidentes de trabalho. João Carlos enfatizou a necessidade de haver comprometimento mútuo, tanto de empregadores quanto empregados, para mudar esse cenário. Mas também do ponto de vista do interesse do condomínio é preciso assegurar a lisura dessas relações, pontuou. Por exemplo, o PPRA deverá ficar arquivado por 20 anos, pois será exigido numa eventual fiscalização; e se a mão de obra for terceirizada, esses planos deverão ser exigidos do prestador de serviços. Entre muitos outros apontamentos, o especialista chamou atenção ainda para a necessidade de realização de exame médico sempre que o funcionário retornar de seu período de férias, algo que não é obrigatório, mas seria prudente para atestar sua condição de saúde na volta ao trabalho. João Carlos Tobias é colunista do site da Direcional Condomínios, onde disponibiliza mais informações sobre os temas acima.

O 8º Encontro Especial em Homenagem às Síndicas ocorreu no dia 6 de fevereiro passado, entre 8h e 12h30, reunindo 120 participantes no Auditório Premium Paulista, em São Paulo (no bairro da Bela Vista, próximo à estação Brigadeiro do Metrô). O tema central do evento foi “Os ‘S’ da Gestão das Síndicas: Sucesso, Segurança e Sossego”. Além das palestras, houve recepção com café, coffee-break no intervalo dos trabalhos e espaço para networking (entre síndicas, especialistas na área e empresas). O encerramento foi marcado pelo sorteio de prêmios (Em uma das fotos acima, a Profa. Rosely Schwartz entrega um exemplar de seu livro à síndica Patricia Aleixo de Oliveira, do Condomínio Amaranto, de Mogi das Cruzes/SP). Na foto de baixo à esq., as síndicas Lurdes de Fátima Affonso Antonio (à esq. na imagem) e Ana Josefa Severino (a 2ª, da dir. p/a esq.) são recepcionadas pela diretora Sônia Inakake e a editora Rosali Figueiredo. Lurdes e Ana Josefa participaram das oito edições do Encontro das Síndicas. No fechamento do Encontro, a Direcional deu lembrancinhas a todas as participantes, incluindo um mimo oferecido pela Enga. Carolina Scheffer Longato Faro (da Calgeo Consultoria).


Fotos: Heloisa Yukie Mastrocola & Almir Almeida

Matéria publicada na edição - 232 - março/2018 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.