Quarta, 13 Dezembro 2017 00:00

Febre amarela em SP e demais centros urbanos: Saiba como se prevenir

Por

Segundo o médico veterinário Gerson Batista, "os únicos hospedeiros são os humanos e os macacos, logo cães e gatos não adquirem a febre amarela em nenhum dos ciclos". Em relação aos cães, "os mosquitos ou pernilongos de várias espécies, incluindo este [transmissor da febre amarela], podem causar outras doenças como a dirofilariose, miíases, leishmanose e bicheiras."

A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Um ser humano ou um primata (macaco) com o vírus é picado por um mosquito transmissor. O inseto, agora previamente contaminado, pica e passa o microrganismo para outra pessoa, que desenvolve a doença. Não é possível a transmissão direta entre pessoas e animais, e vice-versa, sendo o principal mosquito vetor da febre amarela silvestre no Brasil o Haemagogus e o Sabethes, que acometem macacos. Na versão urbana da doença, é o Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue, a chikungunya e a zika. A prevenção da doença deve ser feita evitando sua disseminação, já que vive nos arredores das casas em depósitos de água parada e ataca principalmente no começo da manhã e no final da tarde.

Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas, cerca de 3 a 6 dias após a infecção: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. Do total de infectados, cerca de 15% podem desenvolver a forma mais grave da doença, e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. Destes, cerca de 20% a 30 % podem morrer, porém, a maioria dos infectados se recupera bem. Não existe tratamento específico para a febre amarela e, dessa forma, os procedimentos médicos focam no controle de sintomas e prevenção de complicações. Repouso, ingestão abundante de água, boa alimentação e, no caso de hemorragias, reposição sanguínea, são importantes medidas. Após a cura, não há riscos de reinfecção.

No ciclo silvestre, os mosquitos apresentam hábitos diurnos. Esses insetos vivem em áreas de mata e cerrados principalmente nas copas das árvores ou perto do solo. Na área urbana, mosquitos criam-se na água e proliferam-se dentro dos domicílios e suas adjacências. Qualquer recipiente como caixas d'água, latas e pneus contendo água limpa são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, após desenvolverem-se na água, se tornarão novos mosquitos. Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados. Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de inseticida através do fumacê.

Também devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. A vacina tem 95% de eficiência e demora cerca de dez dias para garantir a imunização após a primeira aplicação. Nas áreas endêmicas, em situações de emergência, a vacina pode ser dada a partir dos seis meses de idade. Pessoas com mais de cinco anos de idade devem se vacinar. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda apenas uma dose com garantia de proteção por toda a vida, porém, poderá ser repetida após 10 anos. Idosos precisam ir ao médico para avaliar os riscos de receber a imunização. Para pessoas cuja imunização por meio da vacina não é recomendada (gestantes e imunocomprometidos, por exemplo), reforçam-se as medidas preventivas, como o uso de repelente de insetos, uso de mosquiteiros em portas e janelas e roupas que cubram todo o corpo, medidas que também poderão ser adotados por toda a população.

Gerson batista

Gerson Batista

Médico veterinário, biomédico, biólogo, especialista em Gestão Ambiental e pós-graduando em Animais Silvestres.
Mais informações: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .