Sexta, 05 Outubro 2018 00:00

De quem é a responsabilidade pelos furtos dentro do prédio?

Escrito por 

Aumentou o números de invasões nos condomínios neste ano de 2018 em São Paulo para a prática de furtos e roubos nas unidades. Mas o que fazer quando esses crimes são cometidos por um morador, visitante ou prestador de serviços, ou seja, alguém que seja da rotina do prédio? A Direcional Condomínios entrevistou o advogado João Paulo Rossi Paschoal sobre o assunto.

1 - Condomínio responde por furtos de objetos deixados nos veículos ou áreas comuns?

Como regra, o condomínio não responde pelos furtos, danos ou roubos ocorridos nas suas áreas comuns, incluindo a garagem. O condomínio edilício só responderá civilmente de modo excepcional por esses eventos desde que comprovadas inúmeras circunstâncias. Para o fim de se saber se, excepcionalmente, haveria a responsabilidade civil, cada caso merece ser estudado com a aplicação sucessiva dos parâmetros seguintes:

A- Comprovação da existência do prejuízo decorrente de furto, causado dentro dos limites do condomínio;

B- Inexistência de causa excludente de responsabilidade, a saber, legítima defesa, estrito cumprimento do dever legal, exercício regular de um direito reconhecido, estado de necessidade, caso fortuito ou força maior e culpa exclusiva do suposto vitimado;

C - Verificação se o dano ocorreu por dolo ou culpa do representante ou prepostos do condomínio (empregados). Se positiva a constatação, o condomínio responderá (Art. 932, III, do Código Civil);

D- Análise do que diz a convenção do condomínio a respeito do assunto, tanto no aspecto positivo, prevendo expressamente a responsabilização do condomínio, ou no aspecto negativo, contendo cláusula de não indenizar. Esta espécie de cláusula, cuja existência é muito comum, repete a regra de que o condomínio não responde pelos furtos;

E- Constatação do nível, proporção e qualidade da segurança existente no condomínio. Quanto maior e mais especializada for a segurança fornecida, maiores serão as despesas arcadas pelos condôminos e, consequentemente, maior será o dever de guarda assumido pelo condomínio. Se o condomínio tem um nível padrão de segurança (normal), então não haverá responsabilidade, devendo cada condômino vitimado arcar com o preço do seu prejuízo. Do contrário, isto é, se houver a super vigilância, haverá dever de guarda e, portanto, responsabilidade.

A orientação acima é extraída da interpretação do Código Civil que é feita dia a dia por nossos tribunais (jurisprudência).

2. Pertences largados em áreas comuns (como celulares, bicicletas etc.) e que "somem", são de responsabilidade do síndico?

R: O síndico só será responsável pela ocorrência caso haja comprovação de que ele foi o agente que se apoderou do bem desaparecido. No mais, sobre a possibilidade de envolvimento do condomínio, será aplicável a mesma lógica da resposta anterior, ou seja, como regra não haverá responsabilização do condomínio. Porém, mesmo que não seja o caso de responsabilizar o condomínio pelo acontecido, é recomendável pensar na aplicação de medidas preventivas e corretivas. Não raro, o próprio Regimento Interno do condomínio traz o mandamento de que os bens particulares dos condôminos não devem ser deixados nas áreas comuns. Deste modo, um trabalho preventivo e educativo deve ser desenvolvido. Outra perspectiva que o problema suscita é a necessidade do aumento da segurança, por meio de treinamento dos empregados e prepostos ou investimento em tecnologia e novas instalações, medida que deve ser estudada e preparada para que a assembleia geral de condôminos democraticamente delibere a respeito.

3 - Quais as providências a administração deve tomar quando o morador notificar que foi furtado em área comum ou na unidade?

R: A primeira medida da administração é responder a ele (contranotificar) que o caso será alvo de investigação e análise. Mas, deve ser adiantada a explicação das respostas acima, ou seja, de que o condomínio só responde excepcionalmente e que há uma regra aplicável ao caso favorável ao condomínio. A partir daí o síndico deve se valer de todos os elementos que possam contribuir com a elucidação do ocorrido (relatos de empregados, prepostos, moradores), filmagens etc. E, não se identificando a presença dos aspectos excepcionais que responsabilizam o condomínio, o ressarcimento pedido deverá ser negado. Em paralelo, cumpre ao síndico verificar se é oportuno desenvolver as medidas preventivas ou corretivas já mencionadas.


Matéria publicada na edição - 239 - outubro/2018 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.

João Paulo Rossi Paschoal

Especialista em Direito Civil pela Escola Superior da Advocacia da Ordem dos Advogados do Brasil, especialista em Direito Imobiliário Empresarial pela Universidade Corporativa do Secovi-SP e Mestre em Direito das Relações Sociais pela PUC-SP. Foi assessor jurídico do Secovi-SP por quinze anos.
Mais informações: joaopaulorp@gmail.com; advjprp@aasp.org.br.


PDF Revista Direcional Condomínios