Segunda, 06 Março 2017 00:00

Obras emergenciais: Como o síndico deve contratá-las?

Escrito por 

Muitos síndicos ou gestores sofrem os impactos diretos da falta de planejamento das obras necessárias à manutenção do condomínio.

Executar um mapeamento dessas necessidades pode minimizar muito as dificuldades com obras emergenciais, sempre desagradáveis a toda coletividade! O mapeamento, e posterior planejamento, devem incluir intervenções nas áreas comuns (por exemplo, a impermeabilização dos jardins ou piscina); fragilidades da infraestrutura (tratamento de trincas e rachaduras, entre outros); e os limites da vida útil dos equipamentos (bombas de piscina ou motores dos portões de garagem). Isso possibilita ao gestor uma visão melhor das necessidades futuras de caixa e minimiza os dissabores de uma ‘‘surpresa’’.

Esta, quando acontece, em geral pega o caixa e as reservas abaixo do necessário para contratar a intervenção emergencial. Todavia, este tipo de obra ou serviço, por sua própria natureza, deve ser executado a toque de caixa e com a probabilidade de ter um custo bem maior do que o esperado.

Caso opte pelo rateio extra para viabilizar os trabalhos, caberá ao síndico elaborar e apresentar, com todas informações possíveis:

- Um histórico da origem da necessidade da intervenção;

- Um cronograma das etapas para a sua execução;

- Uma listagem dos benefícios que serão obtidos;

- E esclarecer a forma de rateio.

Isso tudo deverá ser apreciado e/ou aprovado em assembleia, medida de extrema relevância para um melhor entendimento de todos. Afinal, quando temos informações concisas, o processo de aprovação transcorre de forma mais tranquila.

As cotações devem ser executadas se possível com um número maior de fornecedores do que o mínimo exigido de três. Todas cotações devem conter informações padronizadas das necessidades para que os fornecedores apresentem orçamentos uniformes. Muitas variações de preços ocorrem devido a cotações diferentes para o mesmo produto ou serviço. Uma boa ferramenta para isto é desenvolver uma matriz de necessidades, seja para aquisição de produto ou serviços. Além da parte técnica, deve conter a forma e fases de execução e entrega. Preços, garantias, descontos e condições de pagamento devem ser analisadas também de forma uniforme.

No caso de obras emergenciais que necessitem de projetos técnicos e mão de obra especializada, é recomendável que estes estejam devidamente documentados, avaliados e discutidos por especialistas. Uma vez eleito o projeto que melhor atende às necessidades, deve-se preparar material explicativo para apresentação em assembleia, com a presença dos respectivos responsáveis técnicos. A transparência na apresentação da situação emergencial e das etapas de reparação fará toda a diferença no momento da aprovação desta e de qualquer outra obra.

REFORÇO DE CAIXA

Outra prática de gestão que o condomínio pode adotar é buscar sempre possíveis incrementos de caixa, não somente para situações de emergência. Alguns contratos permitem renegociar e reduzir os valores, o que pode elevar o caixa de forma imediata, assim como uma análise e corte de despesas, desde que não impacte diretamente sobre a qualidade dos serviços e seja adotada juntamente com o conselho.

Administrar os recursos financeiros de um condomínio significa gerenciar, planejar e administrar bem o dinheiro de todos. É como em uma grande empresa que possui acionistas, que depositam seu dinheiro com a expectativa de ver os frutos deste investimento. Com os condôminos não é diferente. Ao pagar a contribuição mensal, ele espera ter em troca a manutenção do seu patrimônio, a segurança e o conforto de sua família, independentemente de haver ou não obras emergenciais.

Matéria publicada na edição - 221 de mar/2017 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.

Kelly Remonti

Graduada em Administração de Empresas, com especializações nas áreas de Finanças e Contabilidade. Possui MBA em Logística Empresarial pela FGV de Campinas. É consultora financeira/administrativa e síndica do Condomínio Top Village, localizado em Alphaville, Região Metropolitana de São Paulo. Membro da ACVAT - Associação de Condomínios Verticais de Alphaville/Tamboré.
Mais informações: kellyremonti@hotmail.com