Domingo, 05 Agosto 2018 00:00

Como e quando levar a dívida condominial a protesto? Destaque

Escrito por 

Amparados em dispositivos introduzidos pelo novo Código de Processo Civil (CPC/ Lei Federal 13.105/2015), muitos condomínios decidiram protestar boletos, em geral, 30 dias depois de seu não pagamento. Há prédios que autorizam as instituições financeiras a fazerem o protesto automático, mas o síndico profissional Luiz Leitão da Cunha recomenda, aos leitores da Direcional Condomínios, cuidados no uso da medida.

1. Há vantagem em se protestar o título em atraso?

A medida apresenta prós e contras, sendo estes maiores que aqueles. O fator positivo é a celeridade, já que, dada a ordem para o protesto, em cerca de três dias o devedor já estará recebendo a intimação para pagamento. E quitará a dívida se tiver meios para isso, caso daqueles que costumam dar prioridade a outros gastos em detrimento do pagamento pontual da cota condominial. Por outro lado, se estiver desempregado, o protesto dificultará ainda mais a vida do inadimplente, pois muitas empresas não empregam candidatos com o nome sujo. Sem dizer que, sendo uma medida radical, o protesto encerra o diálogo e as possibilidades de negociação, sempre possíveis no âmbito do processo de cobrança judicial.

2. Com que critérios isso deverá ser feito?

O envio a protesto deverá ser precedido de muita cautela no tocante à verificação da titularidade do imóvel, através da obtenção de uma certidão atualizada no Cartório de Registro de Imóveis. Ainda assim, corre-se certo risco, porque, apesar do fato de a certidão ser válida por trinta dias, é possível que nesse ínterim o imóvel tenha sido vendido, estando a escritura pendente de registro.


Matéria publicada na edição - 237 - agosto/2018 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.

Luiz Leitão da Cunha

Síndico profissional, Luiz Leitão da Cunha já atuou como jornalista, tradutor, revisor e operador da Bolsa de Valores. Em São Paulo (SP), realiza a gestão de condomínios localizados nos bairros de Jardins/Cerqueira César, Pinheiros e Itaim-Bibi.
Mais informações: luizmleitao@gmail.com; https://luizleitaosindicoprofissional.wordpress.com/