Mediação nos condomínios: “O menor caminho entre o conflito e a paz social”

Escrito por 

O advogado Michel Rosenthal Wagner (foto ao lado) pega emprestado o mote da “paz social”, utilizado pela sua colega Ana Luiza Pretel em um trabalho de conclusão de curso de pós-graduação, como grande razão para justificar que os profissionais e os próprios condomínios se empenhem no uso dos métodos alternativos de soluções de conflitos. “Mas as pessoas [partes] têm que querer”, ressalva.

Na verdade, ele acredita que o primeiro desafio seja convencer a sociedade (e os condôminos) de que a mediação, por exemplo, “poderá se tornar o menor caminho entre o conflito e a paz social”. “Ao entrarmos em um processo como esse, já temos um ganho: o amadurecimento da questão, o surgimento de elementos que compõem o pano de fundo e não estão aparentes, como alguma motivação que tenha ficado distante no tempo e contribuído para fomentar o estranhamento.”

Michel Wagner compõe a equipe de professores de um curso recém-lançado pelos advogados Ana Pretel e Cristiano De Souza, de formação de mediadores para solução de conflitos em condomínio. Também a professora Rosely Schwartz e o advogado Guilherme Giussani estão no corpo docente do curso, iniciado em setembro e que terá 36 horas/aula. Mais informações através do email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

 

Matéria publicada na edição - 194 de set/2014 da Revista Direcional Condomínios