Viver bem em condomínio: o jeito certo de tratar problemas com os condôminios

Escrito por 

O psicólogo Hernán Maximilian de Villar é consultor de relações humanas em organizações privadas e, transportando sua ampla experiência para o ambiente condominial, apresenta aos síndicos e gestores dicas de como se relacionar melhor com os moradores em momentos de reclamações ou explosão de conflitos. Mas faz antes uma ressalva: "As regras são importantes, mas não se pode nunca esquecer o fator humano, ou seja, é preciso sempre tratar as pessoas com carinho e respeito, trabalhando para que a felicidade aconteça."

Abaixo, recomendações aos síndicos feitas pelo psicólogo Hernán:

1. Criar processos de comunicação transparentes, claros e objetivos, tirando as relações do campo da subjetividade (da pessoalidade);

"É preciso ter a capacidade de entendera crítica como melhoria do processo." (Hernán M. de Villar)

2. Procurar entender o objeto da discussão e procurar desvinculá-lo da pessoa, ou seja, não personificar os problemas.

"O problema é o vizinho ou o barulho que ele produz? A origem do problema está em seus hábitos ou na estrutura física da edificação, que reverbera mais o som? Vamos focar no barulho para identificar e resolver a causa do problema." (Hernán M. de Villar)

3. Manter o foco na gestão dos processos administrativos.

"É o caso, por exemplo, de estabelecer kits boas-vindas (uma sacada muito legal), realizar festas de Páscoa, divulgar Resoluções de um Novo Ano e introduzir novas regras de convivência." (Hernán M. de Villar)

4. Realizar a gestão da comunicação.

"Esse é um dos processos administrativos passíveis de melhora. Por exemplo:

- Ouvir e ser capaz de entender a demanda do outro;

- Não reagir, mas procurar ganhar tempo, reavaliar a situação, evitando agir por impulso;

- Deixar o momento esfriar, para que se possa ser capaz de olhar o problema com mais clareza e maior distanciamento;

- Ter flexibilidade, mas, ao mesmo tempo, demonstrar firmeza na condução dos interesses do condomínio, o que não pode ser confundido com autoritarismo.

- E mediante um condômino autoritário, procurar abrir canais de diálogo, criando vínculos dele com o ambiente. O vínculo tem o poder de apaziguar as situações conflituosas."

(Hernán M. de Villar)

São Paulo, 14 de março de 2013