Famosos ou não, síndicos devem zelar por sua privacidade

Escrito por 

Independente do excesso ou não de compromissos em suas atividades profissionais e pessoais, os síndicos precisam manter a privacidade, para que não comprometam seus interesses nem os horários de descanso ou lazer. Há situações que não têm jeito, como a relatada pela síndica Sandra Degenszajn. Ela já foi acordada às 4h30 da manhã por causa do estouro de um cano em um apartamento. A moradora não estava em casa e o vizinho de baixo, o subsíndico Jair de Andrade, sofreu sérias consequências com o vazamento da água na sua unidade. A síndica conseguiu contatar a moradora e, em 20 minutos, ela chegou ao prédio. Nesse meio tempo, Sandra fechou a prumada da água.

O lado bom é que os moradores do condomínio de Sandra mantém um convívio tranquilo e o caso foi solucionado rapidamente, sem traumas. Pois conforme destaca a administradora Rosely Schwartz, o entendimento e a diminuição das chamadas em horários inconvenientes somente tomam corpo “quando o síndico trabalha bem todos os canais de comunicação com os condôminos”. E o administrador Marcelo Mahtuk reforça: “Se o prédio anda direito e os condôminos recebem retorno, isso desestimula incomodar o síndico em horário impróprio”. Inclusive, Marcelo defende que haja um funcionário para as emergências, “pois o papel do síndico é o de quem vai determinar a gestão, não o de executor”. Talvez em prédios menores, como o de Sandra, de apenas 42 unidades, isso seja mais difícil, mas em grandes empreendimentos, “o síndico não é o cara do plantão, ele tem que ir montando uma equipe que dê conta de resolver as questões”. A seguir, Marcelo Mahtuk e Rosely Schwartz deixam orientações de privacidade a esses gestores.

- Contatos pessoais , disponibilizar ou não?

Telefones e emails pessoais devem ser liberados somente para a administradora e o zelador, propõe Rosely. Para Marcelo, o gestor "está síndico", ou seja, exerce o mandato por um determinado período de tempo, por isso deve preservar esses contatos.

- Email exclusivo para assuntos do condomínio

Marcelo Mahtuk diz que o condomínio deve criar emails institucionais para o síndico e o zelador e disponibilizá-los aos condôminos. A mesma opinião tem a professora Rosely Schwartz, que assim justifica: "isso ajuda a direcionar e a não misturar as mensagens pessoais e profissionais."

- Facebook, abrir ou não a página pessoal?

Marcelo Mahtuk mantém posição firme contra síndicos franquearem sua página pessoal em redes sociais. "O Facebook tem sido usado de forma diferente para a qual foi concebido. Recomendo ao síndico aceitar contato apenas de condômino que for seu amigo." Rosely Schwartz, por sua vez, diz conhecer síndicos que já tiveram problemas sérios em sua página no Facebook, "de pessoas que usaram a rede para ofender ou cobrar retorno de demandas"; ou de grupos que foram criados para fazerem oposição. Ela destaca que há condomínios que incluíram no Regimento Interno a proibição de serem citados em páginas de seus condôminos.

- Os porteiros devem interfonar a qualquer hora para o síndico?

Para Marcelo Mahtuk, não. Exceto em sinistros. Nas demais situações emergenciais, quem deve ser acionado inicialmente é o zelador e a administradora, instrui Marcelo. Também Rosely Schwartz acredita que montar e treinar bem uma equipe de apoio evita esse tipo de chamado, mas ela discorda da proibição que alguns condomínios adotam. "Se o porteiro liga, é porque é necessário."

- E se o morador interfonar a ele?

Uma gestão bem feita diminui ocorrências desse tipo, dizem Marcelo e Rosely. A professora aposta que a abertura de canais de comunicação direta do síndico com o condômino, em horários fixos de atendimento, melhore as relações e diminua as inconveniências. Já Marcelo Mahtuk prefere o recurso do livro de ocorrências, desde que haja feedbacks satisfatórios por parte da administração. Mas ao receber a ligação do morador, o síndico deve ser educado e orientá-lo a procurar os canais adequados, finaliza Marcelo.
(Por Rosali Figueiredo)

Matéria publicada na edição - 186 de dez/2013 da Revista Direcional Condomínios