“São Paulo ‘grita’ por silêncio”

Escrito por 

Advogado, consultor socioambiental em condomínios, autor de livro sobre relações de vizinhança e sustentabilidade, Michel Rosenthal Wagner participou da 3ª Conferência Municipal sobre Ruído, Vibração e Perturbação Sonora, promovido em abril passado pela Câmara de Vereadores da Capital Paulista. Durante o painel de discussões “Fontes de Ruído: perturbações que impactam a população”, alertou para a perda de saúde e o aumento da violência decorrentes do excesso de barulho nas grandes cidades, condomínios inclusos. “São Paulo ‘grita’ por silêncio!”, reitera agora à Direcional Condomínios.

“Vivemos uma realidade caótica. Apesar dos limites impostos pela lei, que é ótima, o ser humano não a administra bem.” Michel Wagner defende a realização de uma mapa de ruídos da cidade de São Paulo, algo que deveria ter sido contemplado no Plano Diretor e na nova Lei de Zoneamento, o que não aconteceu. “Vamos tentar incluí-lo agora no novo Código de Obras, em discussão. O mapa dará mais clareza e transparência ao ruído ao qual estamos submetidos.” A questão sonora figura hoje como uma das preocupações centrais das pessoas em relação ao bem-estar, é superada apenas pela da segurança, observa Michel. Segundo ele, os excessos provocam surdez, hipertensão, absenteísmo, acidentes, depressão, intolerância e irritabilidade (ambos com reflexos sobre o comportamento), o que, por sua vez, geram aumento da violência. “As pessoas não suportam o barulho do vizinho porque já estão saturadas de todos os demais barulhos. O ruído da cidade, da rua e do condomínio não deixa sequer as pessoas descansarem deste mundo.”

Matéria publicada na edição - 214 - julho/2016 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.