Acessórios: Básicos, obrigatórios ou plus, demanda é inesgotável nos condomínios

Escrito por 

Condomínios grandes ou pequenos, com infraestrutura de clube de lazer ou tipo padrão, não importa. A lista de acessórios indispensáveis à operação diária desses empreendimentos desconhece fim, principalmente pela expectativa cada vez maior de serviços e confortos apresentada pelos moradores.

São itens que vão de placas obrigatórias na garagem, nos elevadores ou na identificação dos equipamentos de incêndio, ao básico para a coleta diária de lixo (carrinhos, contêineres, lixeiras e sacos descartáveis), entre outros, passando pelo plus que agrega facilidades e bem-estar.

Com a experiência de cinco condomínios implantados, a síndica profissional Valquíria Fidel observa que os empreendimentos têm sido entregues pelas construtoras com muitos equipamentos, incluindo o mobiliário do salão de festas. Mesmo assim, sempre falta algo, como o trocador de fraldas de parede que ela acabou de adquirir para os banheiros femininos das áreas comuns de um dos condomínios que administra. Foram quatro unidades. Assim, além dos itens mínimos necessários ao dia a dia (incluindo-se carrinhos de supermercado, tapetes, cadeiras para a portaria, acessórios de banheiros etc.), entram os equipamentos plus, a exemplo das caixas de correspondência. Elas se tornaram “fundamentais e não eram, porque economizam tempo e mão de obra”, justifica a síndica. Nesta lista figuram os aparelhos digitais de tevê e acessórios da rede Wi-Fi para equipar áreas comuns e de lazer, destaca.

Aposentada do setor privado depois de atuar 34 anos em multinacional francesa, administradora com pós-graduação em Gestão Empresarial, a síndica levou para um residencial de 240 unidades a ideia de se oferecer ambiente de estar aos adultos, onde eles possam fazer reuniões de trabalho, ter aulas de inglês ou mesmo promover encontros com os vizinhos. Desta forma, ampliou-se a lista dos acessórios adquiridos, como o mobiliário. No local, foi disponibilizada ainda uma cadeira de rodas, item de acessibilidade. Quanto à renovação desses materiais, Valquíria afirma que em dois ou três anos é preciso substituir materiais como estofados de cadeiras e lixeiras. A dica da gestora é que seus colegas façam inventário de tudo, para melhor controle do patrimônio do condomínio.

Na parte da limpeza, alguns condomínios optam por adquirir lavadoras de alta pressão, agilizando os trabalhos de sua equipe. Segundo o profissional da área Filipe P. Machado, existem modelos modernos, profissionais e compactos, que possibilitam realizar limpeza profunda de diferentes tipos de áreas (em termos de tamanho, acesso e superfície), com economia de água e secagem através de um sistema de aspiração. Para o consultor que atua há 18 anos no segmento, Ailton Bolignari, as opções de acessórios e equipamentos disponíveis aos condomínios mudaram bastante nos últimos anos, não apenas para atender aos novos serviços e demandas apresentadas pelos moradores, como às leis, a exemplo do AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros). “Os bombeiros estão mais atentos à retirada das lixeiras dos halls dos andares, para liberar a rota de fuga. Eles chegam a verificar se os condomínios dispõem de contêineres para armazenar o lixo depositado pelos moradores”, ressalta Ailton.

O importante, afirma, é que os síndicos estejam atentos aos acessórios de uso obrigatório e necessário, conforme alguns exemplos a seguir.

Itens de uso obrigatório:

- Placas de sinalização. Nos elevadores, por exemplo, são várias, como o aviso de que em caso de incêndio o morador utilize as escadas;

- Sinalizador para entrada e saída de veículos junto aos portões das garagens, uma peça eletrônica que deverá manter-se ligada, com funcionamento de luzes intermitentes, acompanhada da inscrição “Cuidado Veículos”;

Placas exigidas pelo Corpo de Bombeiros:

- Saída de Emergência nas portas corta-fogo;

- Rota de Fuga: Setas que deverão ser instaladas nas escadas e demais locais para indicar a saída de emergência;

- Extintor com as devidas nomenclaturas de Água, Pó e/ou CO2. As placas devem ser fabricadas em PVC, com fundo vermelho, letras brancas fotoluminescentes e constando o CNPJ do fabricante, bem como o código da tinta;

- Plaquetas indicando a voltagem nas tomadas;

Qualidade dos itens necessários

Outro ponto destacado pelo profissional refere-se à qualidade desses materiais. Por exemplo:

- Contêiner plástico de mil litros: Recomenda-se os de fabricação nacional, em acabamento com plástico injetado (polietileno) de alta densidade (PEAD) e aditivado com proteção UV;

- Quadros de Avisos: Recomenda-se os de moldura em alumínio, mais prática e durável, e base que permita aplicar imãs para afixação dos avisos, em substituição à cortiça ou feltro;

- Carrinhos de compras: Importante que tenham acabamento com banho de zinco e qualidades nas rodas;

- Cadeira da portaria: Deve ser ergonômica, possuir regulagem de altura e assento, e encosto executivo, obedecendo às normas da ABNT;

- Identificação para acesso à garagem: Crachás dos veículos e controles remotos devem ter reposição imediata, pois servem ao sistema de segurança.

Matéria publicada na edição - 215 - agosto/2016 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.