Medidas reforçam estanqueidade nos sistemas das edificações

Escrito por 

A seguir, a engenheira civil Rejane Saute Berezovsky, diretora do Ibape-SP (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia), pontua situações que deverão ser consideradas pelos síndicos e demais gestores ao contratarem manutenção ou obras nos sistemas impermeabilizantes das edificações.

Infiltração

- Sempre que houver alguma ocorrência de infiltração, procurar verificar a origem da patologia. Manifestações contínuas e reiteradas de infiltrações indicam a necessidade de contratação de laudo de inspeção, o qual irá garantir ao síndico um diagnóstico abrangente e um escopo uniforme dos serviços necessários;

Capacidade do sistema

- Observar a capacidade do sistema. Muitas vezes, a área que se encontra com problemas de infiltração está com sua capacidade de escoamento subdimensionada. Por isso, sempre que fizer reparos ou obras, aproveite para readequar a rede de captação da água pluvial, corrigir ralos e caimentos e conferir se as tubulações estão comprometidas (com corrosão, entupimento etc.) ou subdimensionadas. Um detalhe importante, desconhecido pelos síndicos, é que as quadras poliesportivas precisam ser dotadas de um sistema com ralos;

Soluções & Materiais

- Cuidar bem da especificação do material (mantas, manta de alumínio e cimentos poliméricos) que será aplicado nos reparos ou obras. Isso significa observar não apenas sua qualidade, bem como o local a ser aplicado, a compatibilidade com a patologia que deu origem ao problema a ser corrigido. É importante considerar que os materiais acima não podem ser aplicados para toda e qualquer patologia. Cada um tem uma indicação própria, a qual deve ser respeitada.

Nesse sentido, é fundamental ter ciência que os transtornos mais comuns com infiltrações decorrem do descaso e no emprego de solução inadequada à patologia que deu origem à perda da estanqueidade em determinado ponto ou área. Segundo a engenheira, problemas de infiltração nem sempre têm sua origem na impermeabilização de laje, vigas e dos subsolos, mas podem ocorrer nas cortinas, provenientes da ação da água do lençol freático. Nestes casos, Rejane observa que não é raro haver condomínios que sobrepõem duas a quatro paredes à cortina, no intuito de minimizar a insalubridade provocada pela água que escorre através das cortinas. Essa insalubridade também poderá afetar as estruturas do ambiente através da ação da umidade, intensificando os danos provocados pela água. Uma solução definitiva para esse tipo de problema está na implantação ou reforma do sistema de drenagem do lençol freático.

Problemas nas fachadas ou sistemas hidráulicos:

- Outra fonte de infiltração está nas fachadas e também nos áticos das edificações, proveniente de falhas no sistema hidráulico e de impermeabilização. Prédios antigos devem redobrar a atenção na manutenção desses sistemas, mas os gestores das novas edificações também precisam ficar atentos: muitas delas estão sendo entregues sem rufos nem calhas, permitindo que a água escorra através das paredes, sem acesso ao sistema pluvial da edificação;

Execução dos serviços:

- Em termos de execução de serviço, é fundamental realizar teste de estanqueidade quando aplicada a manta asfáltica. O teste, com no mínimo 72 horas, permite verificar eventuais falhas grosseiras cometidas durante a aplicação da mesma. Em geral, as falhas acontecem na própria consistência da manta, na cola ou na resina.

Matéria publicada na edição - 222 de abr/2017 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.