Por que modernizar a gestão do condomínio?

Escrito por 

O auditor Ivo Cairrão, que atua há mais de 40 anos com governança corporativa, auditoria e combate a fraudes, afirma que ferramentas de gestão empresarial são aplicadas em condomínios muitas vezes sem a mesma nomenclatura. Por exemplo, para a área de compras, ele usa o Plano de Alçadas, metodologia que permite que essas “sejam realizadas sempre dentro do esperado e sem surpresas para os condôminos”.

Entre outras medidas, o especialista recomenda ainda que os condomínios mantenham uma lista de patrimônio e apliquem o SLA (Service Level Agreement) ou “Acordo de Nível de Serviço”, que estabelece padrões em contrato a serem cumpridos pelas empresas de terceirização de portaria e limpeza, elevadores, bombas, sistemas de TI e segurança. São recursos importantes para “dar à administradora, síndico, corpo diretivo e condôminos a segurança de uma boa administração, evitando rateios extras, desconfiança da gestão e dilapidação do patrimônio”, pontua Cairrão.

A síndica Kelly Remonti, por sua vez, sugere aos colegas algumas estratégias adotadas pelo Condomínio Top Village. São elas: plano de gestão (contendo objetivos operacionais e sociais, prazos, responsáveis etc.); plano de obras (para curto, médio e longo prazo, e com apresentação e votação em assembleia); resumo executivo dos resultados (com apresentação em planilhas e gráficos); e estratégia de comunicação baseada no marketing e voltada aos condôminos. “Todas estas ferramentas são matéria-prima para o planejamento orçamentário, pois trazem informações que impactam de forma positiva ou negativa nas finanças do condomínio.”

Controle de execução de obras do Condomínio Top Village

 

Matéria publicada na edição - 225 de julho/2017 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.