Manutenção no ático das edificações: Dicas aos síndicos e gestores prediais

Escrito por 

Em várias e grandes edificações existe um ambiente acima da última laje de pavimento, chamado de ático, que possui um pé direito menor em relação aos demais andares tipo. É onde ficam instalados equipamentos diversos de uso dos condomínios, como, por exemplo, os reservatórios d’água, casa de máquinas dos elevadores, barriletes, telhados, sistema de ancoragem para trabalho em altura e SPDA.

A seguir, são destacados pontos fundamentais dessas instalações e manutenção preventiva:

- Os reservatórios d’água, nestes setores, ficam apoiados em uma estrutura de elevação, devendo possuir uma pressão mínima na rede hidráulica para atender aos apartamentos da edificação, através da gravidade. Sempre em suas instalações deve haver uma preocupação natural com a estabilidade estrutural do edifício, atentando para o volume d’água armazenado nestes reservatórios. Uma manutenção de limpeza periódica deverá ser programada e realizada por empresa habilitada e capacitada.

- Os barriletes, por sua vez, constituem-se em uma tubulação que se origina na parte superior ou inferior destes reservatórios d’água e têm a função de alimentar os andares da edificação, através das suas colunas de distribuição. Passam também por vistoria periódica programada.

- Já a casa de máquinas dos elevadores, também localizada no ático, possui aparelhos e equipamentos que fazem essas máquinas funcionarem. Deve ser um local exclusivo para esta finalidade, estar sempre fechada e ter ventilação natural ou mecânica. Em alguns casos, em regiões com temperatura quente, é aconselhável o uso de ar condicionado. Somente pessoas da empresa responsável pela prestação de serviços dos elevadores têm acesso ao local ou também funcionários do prédio autorizados por ela. Estes locais também devem ter iluminação eficiente e com fonte diferente dos equipamentos e máquinas existentes. Deverá ser aterrado, para evitar que em caso de chuva com raios o sistema de comandos e equipamentos se queimem. O espaço deve ser provido de extintores de gás carbônico sempre em condições de uso. Para verificação dos equipamentos, máquinas e do próprio ambiente, deverá ser realizada uma vistoria de manutenção periódica.

- Acima dessas estruturas vem a cobertura da edificação ou telhado, cuja função é a de proteger o ambiente interno de intempéries e dar conforto acústico e térmico aos moradores dos apartamentos. São constituídos por planos inclinados em várias angulações e esta inclinação está diretamente ligada ao tipo de cobertura utilizada e pela atuação do vento na região.

A cobertura geralmente é constituída por telhas de barro e metal, sendo estas parafusadas e tendo que passar por uma manutenção de rosqueamento preventivo periódico para evitar que se soltem. Atualmente existem alguns casos de reaproveitamento da água das chuvas com a captação das mesmas em sistemas de cobertura.

- Também o SPDA se localiza na parte alta das edificações. É um Sistema de Proteção de Descargas Atmosféricas, mais conhecido como para-raios, regulamentado pela ABNT NBR 5.419/2015 (da Associação Brasileira de Normas Técnicas de Proteção de estruturas contra descargas elétricas). Ela deve ser atendida por exigência do Corpo de Bombeiros em casos de edificações residenciais multifamiliares que tenham 20m ou mais de altura e 750m² de área construída ou mais.

Sua função é evitar ou diminuir o impacto das descargas atmosféricas provenientes dos raios durante as intempéries, que podem causar incêndios, danos materiais e até   levar pessoas e animais a óbito.

Tendo validade indeterminada, estes sistemas devem ser vistoriados e inspecionados uma vez por ano por profissionais habilitados, que emitem o Laudo de Conformidade, caso o mesmo esteja dentro da NBR acima e da NR 10 (Norma Regulamenta de Segurança em instalações e serviços de eletricidade, do Ministério do Trabalho).

- A   ancoragem representa outro item importante e esquecido na maioria dos prédios que necessitam de manutenção e limpeza das suas fachadas, segundo as NR 18 (Relativa às Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção) e NR 35 (Relativa à Segurança e saúde no trabalho em altura). A ancoragem se constitui em um dispositivo instalado na cobertura das edificações, em material aço inox, destinado à fixação de equipamentos para trabalho em altura, como balancins, cadeiras suspensas etc., e também para amarração de cordas na limpeza de telhados e marquises, entre outros.

Estes pontos de ancoragem devem ser instalados definitivamente na estrutura da edificação e dar total segurança aos trabalhadores que necessitam usá-los para serviços em altura.

Kleber José Berlando Martins

Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho. Especialista em Construção Civil, Avaliações e Perícias e Engenharia Diagnóstica, com mestrado de Construção Civil em andamento. Ex-Diretor do Ibape-MG e presidente da ASPEJUDI (Associação de Peritos Judiciais, Árbitros, Conciliadores e Mediadores de Minas Gerais).
Mais informações
: www.kjavaliacoesepericias.com.br ; O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.



PDF Revista Direcional Condomínios