Gestor de assessoria esportiva em condomínios deixa dicas para montar ou renovar academias. Com Marcelo Martinelli

Escrito por 

O profissional da área de Educação Física, Marcelo Martinelli, deixa a seguir orientações aos síndicos que pretendam investir na modernização ou implantação de uma academia no condomínio. Marcelo é pós-graduado em gestão esportiva e prestador de serviços de assessoria aos condomínios.

Marcelo Martinelli, gestor e professor de Educação Física

- EM ESPAÇOS ANTIGOS OU REDUZIDOS (MÁXIMO DE 12M2):

“Para otimizar esses espaços e atender a um maior número de moradores, são indicados aparelhos com foco em exercícios cardiorrespiratórios. Por exemplo: Uma esteira, uma bicicleta ergométrica e uma torre de pesos livres de 1 a 10kg. O conjunto ocupa pouco espaço. A sala pode comportar ainda faixas elásticas para diversificação dos exercícios, além de colchonetes. Outra alternativa é instalar no local uma esteira e uma estação multifuncional de musculação, contendo leg press, pulley e cadeira extensora.”

- AMBIENTES MAIORES COM PROJETO DE RETROFIT

“Quem já possui academia e quer criar, por exemplo, uma sala exclusiva para ginástica, deve:

- Adequar o piso à prática e garantir que não haja reverberação do som para as unidades que ficam acima do ambiente;

- Instalar espelho em uma das paredes;

- Adaptar a rede hidráulica para filtro ou bebedouro e a rede elétrica para equipamentos de som (Alguns condomínios embutem as caixas no teto); e,

- Criar um nicho para alocação dos materiais como tatames desmontáveis, bolas de pilates, colchonetes, caneleiras e pesos etc.

Já os condomínios que irão começar do zero, além de todas as medidas acima, deverão garantir a instalação de tomadas embutidas nos pisos para as esteiras (que em geral trazem fios pouco extensos), além de verificar a amperagem das mesmas em conformidade com a potência do motor desses aparelhos.”

- UPGRADE NOS CONDOMÍNIOS NOVOS

“Muitas incorporadoras entregam excelentes espaços físicos para as academias, mas sem material de qualidade e/ou configuração correspondente, caso de esteiras consideradas ‘residenciais’, geralmente com motores de 2HP, de uso individual e para poucas horas diárias de práticas (de 2h a 3h). Essas acabam exigindo manutenção rotineira e de alto custo para o condomínio. Por isso se recomenda substituí-las por modelos profissionais ou semiprofissionais, dependendo do porte do empreendimento. Alguns aparelhos profissionais atuais dispensam a lubrificação de rotina, possuem maior resistência do motor e capacidade de atender a um período maior de funcionamento.

É sempre importante ainda promover manutenções preventivas, como lubrificação das esteiras, verificação dos cabos dos aparelhos de musculação, de roldanas e polias, e limpeza dos equipamentos.”

- REFORMA DE EQUIPAMENTOS

“A reforma é indicada para as esteiras profissionais, com motor e estrutura preparada para uso constante e peso superior a 100kg, cujo valor de compra esteja muito acima do orçamento. Mas a empresa contratada para a reforma deverá dar garantia de pelo menos 12 meses. De qualquer maneira, o ideal é comprar novos modelos de marcas conhecidas no mercado, que oferecem uma qualidade maior e todo suporte de pós-venda, como garantia e assistência.”


Matéria publicada na edição - 229 - novembro-dezembro/2017 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.