Síndicos & Familiares: Parceria para prevenção às drogas

Escrito por 

O consumo precoce de álcool e a influência dos próprios familiares e amigos representam uma das principais aberturas ao uso das drogas ilícitas na comunidade, escolas e, por extensão, nos condomínios, afirma o psicólogo Nelson Luiz Raspes, especializado no atendimento a dependentes químicos.

Nelson Luiz Raspes

Nelson Luiz Raspes: Psicólogo denuncia consumo precoce de álcool e defende ação conjunta preventiva entre gestores e pais

Nelson é colunista do site da Direcional Condomínios e atuou durante 15 anos junto ao Centro de Tratamento Bezerra de Menezes, em São Bernardo do Campo.

Nos artigos disponíveis no site da revista, Nelson analisa o fenômeno da adicção (dependência), com informações que, segundo ele, auxiliam bastante o síndico na hora de abordar um usuário e familiares. Aos gestores, o especialista sugere duas outras frentes de atuação: uma preventiva e outra assertiva (quando o problema estiver dado).

Na via preventiva, “é sempre importante trabalhar com o adolescente de forma saudável e conscienciosa, por meio de atividades de lazer dentro dos condomínios, promoção de jogos em grupos e, eventualmente, fornecer materiais e realizar palestras abordando os problemas decorrentes da doença (vício), dentro de uma linguagem acessível”. “Isso contribui bastante para prevenir a proliferação do problema, mas não evita 100%”. Nessa linha, há necessidade ainda de “conscientizar os pais, pois esses não sabem lidar com o problema quando é descoberto e muito menos enfrentar”. É a parte mais importante da prevenção, aponta.

De outro lado, quando o síndico se depara com usos e abusos reiterados de usuários e dependentes, é preciso “enfatizar as regras do condomínio”, deixando claro que “medidas serão tomadas pela administração”. Deve-se, recomenda o psicólogo, “trabalhar limites, conscientização e mudanças de comportamentos”. “Enfatizo ainda a possibilidade de sugerir à pessoa em questão, conforme o vínculo do síndico com ela e seus familiares, que procure ajuda especializada para tratar sua doença.”

ANTÍDOTO: SOCIALIZAÇÃO NO CONDOMÍNIO – Duas estratégias complementares marcam a gestão do síndico Victor Albuquerque Lima (foto ao lado) no Condominium Club Moema (CCM), na zona Sul de São Paulo, em relação às crianças, jovens e adolescentes. O gestor investe paulatinamente para melhorar o conforto do lazer e aprimorar os eventos coletivos, atraindo a garotada para um convívio social saudável. Paralelamente, ele reforçou a vigilância nas áreas comuns, com a contratação de um bedel, que começou a trabalhar neste mês. O objetivo é conter a “correria” da garotada pelos espaços do condomínio, já que a faixa etária predominante no local vai de seis a dez anos. O bedel terá ainda que evitar a entrada das crianças em ambientes inadequados para a idade, como a sauna e a academia.

Administrador da área de marketing, Victor assumiu a sindicância em janeiro deste ano, mas já participara como conselheiro de duas gestões anteriores, quando mobilizou, entre outros, a criação de um lounge destinado aos jovens, a troca do mobiliário da piscina e a instalação de tomadas nas áreas comuns para carregar baterias de celulares. Recentemente, equipou o salão de festas, diminuiu sua taxa de locação e implantou uma área de estar para os idosos. O Condominium Club Moema promove eventos coletivos todo ano, a exemplo da festa junina realizada no dia 24 de junho passado. Para outubro, já está programada a festa das crianças. Com duas torres e 282 unidades, o CCM dispõe de um bar na piscina, que foi enfeitado e preparado para recepcionar os condôminos durante os jogos da Copa do Mundo de Futebol. De acordo com Victor, o condomínio não registra conflitos decorrentes de infrações comportamentais ao Regulamento Interno ou do consumo de drogas. Mas ele pretende reforçar as ações preventivas, como a criação de uma espécie de clubinho para as crianças, envolvendo-as com a implantação de uma horta hidropônica e de um sistema de compostagem.


Matéria publicada na edição - 236 - julho/2018 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.