Síndico se mune de informações contra rede de fake News

Escrito por 
síndico Bruno Ricardo da Silva

COMBATENDO FAKE NEWS – O síndico Bruno Ricardo da Silva (foto ao lado) é um exemplo de como paciência, abertura e firmeza ajudam a desmobilizar potenciais fontes de conflito no condomínio.

Morador e gestor do residencial Dez Aricanduva, na zona leste da cidade, Bruno assumiu em 2013 e enfrentou uma explosiva rede de fofocas via WhatsApp, que questionavam sua administração. Esta veio acompanhada de difamações e insultos presenciais, que tentaram atingir a pessoa do síndico por sua condição de cadeirante. Administrador e microempresário, Bruno soube reunir toda documentação pertinente ao condomínio - da parte financeira e de contratos ao planejamento de obras. Convocou uma reunião de esclarecimento com os condôminos insatisfeitos (cerca de 50), conversou antes individualmente com cada um, forneceu as informações solicitadas, buscou o apoio de um advogado, chamou testemunhas, apresentou notas e conseguiu esvaziar a matriz que alimentava as fake news.

O Dez Aricanduva possui 2 torres e 250 apartamentos, foi entregue em 2012 e apresentava deficiências de gestão na época em que Bruno foi eleito pela primeira vez. De lá para cá, ele promoveu a individualização da leitura do consumo d’água; reforçou a segurança; reformou halls, salão social, o playground e a quadra. E passou a promover eventos festivos. As decisões sobre os investimentos são tomadas em conjunto com o Conselho e uma Comissão de Orçamento.

“O grande problema de um condomínio é que ninguém pergunta ao síndico do planejamento, da arrecadação e da inadimplência. As pessoas criam redes de fofocas com críticas vazias, não vão atrás dos porquês. A melhor atitude é a transparência, ter o corpo diretivo ao seu lado e conversar com os moradores. É claro que meia dúzia nunca estará satisfeita, mas qualquer um pode vir buscar esclarecimento.”

Segundo Bruno, o ambiente do condomínio melhorou bastante, mas há muito o que fazer, pois de 40 a 50 advertências são ainda emitidas por semana, por violações de regras básicas do RI. “Muitos pais acham que a parte social do condomínio é uma extensão da casa, deixam as crianças ali sem a fiscalização de um adulto. Estou aqui diariamente, entre 18h e 22h, para atender, converso com todos antes das advertências. E fazemos a reunião mensal do corpo diretivo aberta, para sugestões e reclamações.” Neste ano, haverá nova eleição de síndico, momento em que os ânimos costumam se exaltar. Bruno, em princípio, deseja continuar, para entregar a reforma da fachada, obra prevista para 2019.


Matéria publicada na edição - 243 - março/2019 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.