Em Araçatuba (SP), condomínio contrata mulher para zeladoria

Escrito por 

A zeladora Lúcia Helena C. de Souza atua há quatro anos como zeladora do Condomínio Residencial Porto Príncipe, localizado na cidade de Araçatuba, interior de São Paulo. É muito raro localizar uma mulher nesta profissão, seja pela falta de costume ou até mesmo pelo preconceito corrente em se ver chaves de fenda em mãos femininas.

Lúcia (foto ao lado) conta que começou a trabalhar em condomínio na função de porteira, onde permaneceu por seis anos. Foi em outro edifício, no São João. “Eu era diarista de um apartamento e já fazia alguns reparos ali e no sítio de minha patroa, que me indicou a uma vaga que surgiu na portaria. A síndica resolveu então apostar em mim, fui a primeira porteira da cidade. O preconceito acabou surgindo de uma moradora, que dizia que eu colocaria em risco a segurança do condomínio, mas, graças a Deus e à minha força de vontade, ela reconheceu minha competência.”

Quando porteira, Lúcia começou a fazer cursos de segurança, atualizados a cada ano. Já os serviços de hidráulica e elétrica foram aprendidos muito cedo, com doze anos. Por vontade de continuar aprendendo e também por necessidade, Lúcia lembra que partiu em busca de “mais conhecimento com profissionais da área”. A oportunidade para a zeladoria surgiu no Porto Príncipe, logo após começar a trabalhar como faxineira.

“O síndico da época e um morador me ofereceram a vaga depois de 15 dias. Estou há quatro anos, sou muito quista por todos, tenho critérios na hora de buscar orçamento com prestador de serviço, como honestidade e competência. Além disso, faço todos os pequenos reparos: podo a grama; conserto válvulas hidra; instalo e troco resistências de chuveiros; faço pequenas pinturas em paredes e nos portões, quando estão muito sujos; substituo tomadas, interruptores e lâmpadas; troco engates das torneiras; instalo ducha higiênicas etc.”

Aos 46 anos, Lúcia é mãe de dois filhos, Danieli, hoje porteira no Porto Príncipe, e Vítor. E pretende aprimorar ainda mais seus serviços, anunciando que irá fazer seu primeiro curso de eletricista neste ano. “Espero dar conta!”

Matéria publicada na edição - 187 de fev/2014 da Revista Direcional Condomínios