Manutenção ou modernização, o que é melhor para o elevador do prédio?

Escrito por 

Em entrevista à revista Direcional Condomínios, o engenheiro Antonio Luiz Caldeira fala sobre as principais causas de paradas de elevadores nos prédios e de soluções mais indicadas para alguns casos.

Engenheiro Antonio Luiz Caldeira

Caldeira (foto) é engenheiro de controle de automação e atua há anos no segmento de elevadores em São Paulo.

Causas de paradas em elevadores mais antigos

“Uma das principais causas é a manutenção inadequada, se o elevador não estiver em dia com as manutenções preventivas de seus componentes, estes podem se deteriorar mais rapidamente. Outras causas estão nos equipamentos que se desgastam com o tempo e tornam impraticáveis os reparos. Os itens que integram essas condições são:

- Operadores de portas;

- Trinco das portas dos andares;

- Botões de chamados;

- Sensores de paradas;

- Paradas fora de andar.

São itens que acabam provocando paradas bruscas fora dos andares e geram grande desconforto aos usuários.”

Causas de paradas em elevadores mais novos

“Há muitos elevadores que foram instalados no período de 15 anos que já trazem problemas aos usuários. Entre as causas mais comuns, estão equipamentos com dificuldades de peças no mercado. Algumas empresas, mesmo nacionais, venderam e instalaram muitos equipamentos importados e não se atentaram para a reposição de peças; outras entraram no mercado, venderam muitos elevadores, instalaram e não se mantiveram. Tudo isso gerou uma quantidade de equipamentos que não funcionam adequadamente, pois nem chegaram à sua maturação e foram repassados a outras empresas. Por conta dessa situação, muitos elevadores novos têm sido modernizados, para que sejam instalados equipamentos mais adequados ao mercado, facilitando tanto em termos de conhecimento técnico como na reposição rápida dos componentes, gerando mais tranquilidade para os usuários dos elevadores.”

Como saber se a parada é caso de reparo ou modernização?

As paradas frequentes dos elevadores, com maior quantidade de chamados para consertos, desnivelamentos constantes, paradas secas e desconfortáveis, gastos acima da média com peças e demora na sua reposição são indicativos de que o equipamento está se tornando obsoleto. Quando há dificuldade na reposição rápida de peças, e elas são mais caras, é melhor trocar o componente completo do que ficar remendando.

De outro lado, nos elevadores mais antigos inexistem as funcionalidades de sistemas mais novos que permitem armazenar dados, como últimas ocorrências ou erros que aconteceram no equipamento. Para isso precisamos de microprocessadores mais avançados e nesses elevadores não temos isso. É possível manter um equipamento antigo em operação e funcionando de forma satisfatória, porém, há uma grande possibilidade de isso estar atrelado ao fato de a empresa ou o técnico específico da empresa conhecer bem esse equipamento. Além disso, na quebra de um componente importante neste elevador pode haver falta da peça de reposição, justificando uma modernização. Uma boa manutenção preventiva alonga o tempo de um determinado problema, porém, a corretiva muitas vezes pode ser possível somente através de uma modernização.

Finalmente, um problema frequente e que gera um grande desconforto está nos elevadores que param através do freio das máquinas de tração. O técnico faz ajustes para que os elevadores parem nivelados, mas é difícil prever em que situação o elevador irá parar. Por exemplo: Com o elevador vazio, ele poderá parar nivelado 100% no andar, mas se estiver cheio, com carga completa, irá parar abaixo do nível do andar, criando um degrau na saída da cabina. Essa é uma das situações onde somente uma modernização do comando irá resolver, pois o novo comando VVVF identifica a quantidade de passageiros dentro do elevador e adequa a sua parada, que será sempre 100% nivelada, sem criar degrau.”

Por que refazer uma modernização executada há pouco tempo?

Recomendamos sempre um consultor para que o síndico saiba exatamente o que irá instalar em seu condomínio. Muitas empresas novas no mercado instalam os seus equipamentos, às vezes importados, e dificultam até mesmo a sua troca como empresa de manutenção do elevador. O cliente acaba ficando refém dela e corre o risco de, ao sair dessa empresa, ter que trocar alguns componentes, como o quadro de comando e botoeiras, de forma que venha a ter um custo e uma manutenção mais adequada. Há casos em que uma nova modernização fica, portanto, mais em conta ou se equipara em termos de valores. Em geral, quando se trata de tão pouco tempo de uma para outra, é mais por insatisfação da qualidade que é dada na manutenção do equipamento.”

Razões de segurança na modernização dos elevadores

“Uma modernização pode ser necessária em casos de adequação do elevador à normas técnicas vigentes, legislações municipais, estaduais ou leis específicas de inspeção predial que requerem maior nível de segurança nas instalações ou mesmo para questões de acessibilidade. A modernização não precisa necessariamente ser total. É possível avaliar itens importantes para um melhor funcionamento do elevador com mais economia de energia elétrica para o condomínio.

Muitos itens podem ser adicionados a um elevador modernizado, são eles:

Portas de pavimentos que hoje podem ser instalados aproveitando o batente existente e sem a necessidade de quebras de alvenarias;

Instalação de nobreaks, que fazem com que na falta de energia elétrica e sem gerador no prédio, o passageiro possa ser levado até o próximo andar e sair sem maiores dificuldades; e,

Freios de segurança embaixo da cabine e regulador de velocidade podem ser adicionados quando o sistema antigo não for tão eficiente.”


Matéria complementar da edição - 250 - outubro/2019 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.