Síndico reverte situação de abandono na manutenção

Escrito por 

O síndico Gerson Fernandes de Godoy viu saírem da cobertura do Condomínio Edifício Fontana Di Trevi, na Vila Matilde, zona Leste de São Paulo, 27 caçambas de entulho quando começou a limpeza da piscina então abandonada, do seu antigo deck de madeira, de um abrigo abaixo desta estrutura e da demolição de uma pequena escada.

Síndico Gerson
Fernandes de Godoy

Síndico Gerson Fernandes de Godoy na cobertura recuperada. Em mãos, o laudo de inspeção predial e, na imagem à dir., a situação anterior

Isso foi em 2018, um ano depois de receber o laudo de inspeção predial do engenheiro civil Marcus Vinícius Fernandes Grossi, que identificou grau de risco entre crítico e médio em quase todo o ático, incluindo barrilete, casa de máquinas, de bombas e a piscina (com problemas de armadura exposta e oxidada à não aderência da manta de impermeabilização, entre muitos outros).

“As intervenções na cobertura eram urgentes por causa das infiltrações nos quatro apartamentos do último andar, mas tínhamos outro setor em risco, a elétrica, conforme um laudo específico que também contratamos. Assim, em 2017 demos prioridade às adequações elétricas”, relata Gerson Godoy.

Morador antigo do prédio, ele havia sido síndico em outra época e acabara retornando à gestão entre 2015 e 2016 para cobrir o mandato do gestor então destituído justamente pelo abandono da manutenção e por problemas financeiros. Nessa transição, Gerson implantou a portaria virtual e equilibrou o caixa, iniciando um fundo de obras no final de 2016. Os laudos de 2017 vieram para ajudar o condomínio a organizar o planejamento das obras necessárias, pois os danos eram visíveis e afetavam os moradores. A cobertura com a piscina estava em desuso havia anos.

Três anos depois de receber os resultados dos laudos, Gerson já entregou, no ático, uma nova piscina com solário, salão reformado, rede hidráulica de águas pluviais ligada ao sistema de reuso, reforma das grades do guarda-corpo conforme norma ABNT, recuperação do caixão perdido, rampa de acessibilidade, instalação de gradil de proteção com vidro temperado de 10mm em torno da piscina, de câmeras de segurança, adequação do para-raios, pingadeiras, entre muitos outros; na parte térrea, fez a recuperação de muros, jardins, calçada e um novo cabeamento para a iluminação e as câmeras. Houve ainda a adequação elétrica e demais iniciativas para encaminhar a regularização do AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros).

Com 40 apartamentos e 28 anos de construção, o Fontana de Trevi já sente os reflexos das obras na valorização dos imóveis, pois se em 2017 existiam cinco unidades vazias para comercialização, “em 2020 não temos nenhuma, nem para locação, nem para venda”, destaca o síndico. Segundo Gerson Godoy, ainda há muito a ser feito. O rateio extra tem prazo para terminar, junto com o seu atual mandato, em junho de 2021, mas, até lá, ele pretende promover a impermeabilização do térreo com manta asfáltica, recuperar a garagem, pintar a fachada e obter o AVCB.

Obra na piscina do condomínio

À esq., imagem da piscina antes das obras; à dir., como ficou


Matéria publicada na edição - 259 - agosto/2020 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.