Grupos de mães se mobiliza para organizar brinquedoteca em condomínio de SP

Escrito por 

O uso dos espaços comuns nos condomínios tem mudado conforme haja alteração no perfil do seu público.

Edifício Hyde Park

No Edifício Hyde Park, residencial localizado no Brooklin, na zona Sul de São Paulo, o antigo salão de jogos, que era pouco usado, deu lugar a uma brinquedoteca concebida por um grupo de mães moradoras do local. A iniciativa foi liderada por Ana Carolina Moraes Biagioni Franco, mãe de uma menina, hoje com 3 anos. "Moro aqui há cerca de 5 anos, quando minha filha nasceu comecei a descer para a área de playground, junto com outras mães, mas em dias de chuva não tínhamos onde ficar", relata. "Começamos a usar o salão de jogos, mas o local não possuía estrutura nem segurança para as crianças pequenas." A ideia inicial era ocupar apenas um canto adaptado deste ambiente. Ana procurou a síndica, Cinthia Zaratini, que deu carta branca para que as mães desenvolvessem um projeto e apresentassem proposta a uma assembleia de condôminos.

A mobilização avançou para a redefinição de uso do espaço como brinquedoteca, o que acabou aprovado pela assembleia. De acordo com a síndica Cinthia Zaratini, a orientação dada às mães foi que a mudança não implicasse em custos elevados para o condomínio, os quais precisariam ser também deliberados pelos moradores. Por isso, a comissão de mães optou por um projeto simples, mas "que estimulasse o movimento e a criatividade", contemplando um canto de leitura, lousa para desenho livre, um espaço para bebês e bancadas com brinquedos (tipo oficina, cozinha, gavetões com fantasias etc.).

As ideias foram coletadas através de enquetes realizadas entre as mães e pesquisas na internet, observa Ana Carolina, advogada que cursa atualmente graduação em Pedagogia. "Pesquisei fornecedores, valores e, com isso em mãos, fomos à assembleia apresentar o projeto para a deliberação dos condôminos." Com a mudança aprovada, o condomínio fez a pintura interna das paredes, reforçou a iluminação do espaço e investiu na decoração com adesivos, "para criar uma ambientação mais lúdica".

brinquedoteca

A aprovação ocorreu no final de 2018 e, em maio de 2019, a brinquedoteca estava inaugurada. Para a síndica Cinthia Zaratini, o movimento das mães do Hyde Park demonstra que os moradores podem ter uma participação ativa na vida do condomínio, desde que mudanças e/ou regras tenham a aprovação da coletividade.

Em 2020, por causa da quarentena do novo Coronavírus, o espaço foi temporariamente fechado, situação que permanecia até o final do mês de setembro. "As mães estão conversando para combinar as regras de uso, como retirar os brinquedos e livros e permitir o acesso de apenas uma família por vez", afirma Ana Carolina. Segundo a moradora, a brinquedoteca contribuiu para valorizar o condomínio na região. As mesas de pebolim e pingue-pongue, que formavam o antigo salão de jogos, foram realocados para o de festas. Construído no final dos anos 70, o Hyde Park possui torre única e 72 apartamentos.

brinquedoteca

Fotos Rosali Figueiredo


Matéria complementar da edição - 261 - outubro/2020 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.