Tecnologia amplia as possibilidades de gestão do condomínio

Escrito por 

Portaria remota/virtual, aplicativos customizados, recursos de IOT, entre outros, inovam o conceito de tecnologia aplicada na administração e operação dos condomínios, facilitando a tomada de decisões.

síndico Pedro Nagahama

O síndico Pedro Nagahama, profissional da área de TI, procura ganhar tempo e precisão com ferramentas tecnológicas na administração do condomínio

Na era do smartphone e dos aplicativos que reúnem informações administrativas do condomínio, de reservas de espaço ao acompanhamento da quitação dos boletos e saldo das contas, passando pelas imagens das câmeras instaladas nas áreas comuns e pelos apps de mensagens instantâneas, os síndicos ganharam agilidade para a tomada de decisões. E um desafio: Como gerir o excesso de informação e organizá-lo em uma única tela de comando? Como fazer o controle dos dados, incluindo aqueles provenientes de recursos de IOT (Internet das Coisas), que os ajudam a verificar em tempo real o consumo de água, energia e o desempenho de elevadores e geradores?

Portaria Remota/Virtual

Até algum tempo atrás, o principal diferencial de tecnologia nos prédios residenciais estava nas plataformas das administradoras, com digitalização de informações e campo do usuário para acessar boleto, reservar espaços, fazer notificações, receber comunicados etc. Depois veio a portaria remota/virtual, a qual, de acordo com o síndico Pedro Nagahama, representou um salto operacional e de gestão no condomínio onde mora, um prédio de 22 unidades situado no Tatuapé, zona Leste de São Paulo. “Isso facilitou muito o trabalho, nos deu um grande upgrade, liberou tempo para olharmos para outros problemas e equalizou a parte financeira. Tenho uma plataforma que possibilita rastrear toda a movimentação e intercorrências que venham a acontecer”, afirma. A portaria virtual foi implantada no local em 2017, quando Pedro assumiu a gestão pela primeira vez.

IOT

Posteriormente, o síndico, que é especializado em TI (Tecnologia da Informação), implantou dispositivos de IOT nos dois elevadores da edificação, para que pudessem ser monitorados remotamente pelo prestador de serviços. “Isso reduziu bastante a incidência de problemas, a empresa consegue fazer uma manutenção preditiva ao identificar as intercorrências antes dos próprios moradores”, pontua. A IOT possibilita ainda monitorar geradores, portões, sistemas de alarmes, entre outros.

No momento, Pedro acompanha o desenvolvimento de um sistema customizado para a rede hidráulica do prédio, que lhe permitirá receber informações em tempo real sobre o abastecimento de água. Inúmeros imprevistos podem fazer secar a torneira do morador, observa. Por isso, ele quer fazer o monitoramento do sistema, de forma a verificar “se está entrando água, se os reservatórios estão abastecidos, se bombas, boias e o contator estão funcionando”. O projeto prevê que uma única plataforma irá centralizar informações de sensores que serão implantados nessas instalações. O síndico acredita que, além de segurança e conforto, o novo recurso possibilitará controlar o consumo e economizar.

Novo APP de Gestão e Mensagens

O gestor está implantando também uma nova plataforma para a administração do condomínio, “integrando várias funcionalidades que existem no celular, concentrando tudo no aplicativo e dispensando o uso de apps de mensagens”. O sistema estará acessível a todos, corpo diretivo e moradores. Assim, qualquer anomalia que um condômino venha a observar, como um vazamento, poderá ser imediatamente registrada no App, “que irá direcionar o problema para quem deve tomar uma medida, tudo automaticamente, como se abrisse uma chamada que se converte em fluxo de trabalho (work flow), com data de verificação, ação e conclusão”, descreve. “O síndico é avisado de todo o processo”, completa.

Mas Pedro Nagahama não pretende parar por aí. O ideal seria, ressalva, integrar os quatro aplicativos diferentes relativos ao condomínio (portaria virtual, elevadores, IOT da rede hidráulica e novo App de gestão) em um comando único. “Busco um fluxo mais rápido de comunicação e monitoramento do que acontece na vida do condomínio e que toda essa funcionalidade esteja disponível no celular.”

Quem administra os dados?

O síndico orgânico Fabio Schmitt, também profissional de TI e empresário de serviços como controle de acesso, afirma que o principal desafio hoje dos condomínios frente à expansão tecnológica é definir quem fará a gestão dos sistemas. “A informação deve ser a mais fidedigna e atualizada possível, é preciso saber gerenciar o sistema, especialmente com a entrada em vigor da LGPD”. Leia mais: Afinal, a LGPD se aplica aos condomínios?

Segundo o engenheiro e empresário do segmento, Marcos Rizzo, a pandemia acelerou a procura dos condomínios por soluções tecnológicas, notadamente de medição individualizada e remota do consumo d’água. A tendência, entretanto, é que avancem para o conceito de “cidades inteligentes”, diz. “É possível ao síndico implantar hoje um aplicativo que lhe dê o painel de controle de todas as informações de tecnologia do condomínio, onde receba dados da individualização, da irrigação, dos alarmes, das imagens das câmeras, da geração solar, dos consumos etc.” Por meio desse histórico, observa Marcos, o gestor poderá atuar preventivamente ou assertivamente mediante situações que trariam riscos ou conflitos (como aqueles relacionados à conta d’água).


Matéria publicada na edição - 261 - outubro/2020 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.