Soluções ao sistema de impermeabilização: A experiência dos síndicos

Escrito por 

Desde 2017, um residencial localizado na zona Oeste de São Paulo apresentava um cenário de deterioração de pisos, canteiros e muretas das áreas comuns térreas, depois que uma obra de troca da manta asfáltica foi suspensa em assembleia de condôminos, em função de inúmeros problemas com o prestador de serviços (a empresa foi extinta na época).

Síndica Mila Fernandes Rocha

A síndica Mila Fernandes Rocha em área recém-recuperada após herdar uma obra paralisada

Contratada na sequência para assumir a gestão do prédio, a síndica profissional Mila Fernandes Rocha buscou um serviço de inspeção predial para orientar a recuperação do sistema. A vistoria foi realizada em 2018 pelo engenheiro civil Luiz Fernando Barros, que identificou várias deficiências no serviço como:

- Camada de proteção sobre a nova manta com falhas de execução (por exemplo, rasa, com trincas ou solta em alguns lugares);

- Muitos pontos com manta visível, exposta ainda nas juntas de dilatação e/ou aplicada fora de conformidade no alinhamento entre piso e muros e no “arremate de virada”;

- “Manta derretida além do recomendado, alterando características físico-químicas e comprometendo estanqueidade”;

- Jardineiras impermeabilizadas sem juntas de dilatação adequadas;

- Carbonatação em pisos, degraus etc.; e,

- “Juntas de dilatação fora de alinhamento, causando fissuração da camada de impermeabilização. Ausência de acabamento com material elastomérico (mastiq, PU ou similares) resistente às intempéries na junta de dilatação”;

Naquele momento, o engenheiro recomendou que o condomínio providenciasse os seguintes reparos nas áreas mexidas pela antiga empresa: Adequação das camadas de proteção mecânica da impermeabilização; acabamento das juntas de dilatação em materiais elastoméricos; correção da impermeabilização nos pontos onde persistiam infiltração no subsolo; e recuperação da armadura no subsolo com material adequado.

Com base no parecer e, limitado pela escassez de verba, o condomínio resolveu, através de assembleia:

- Refazer o contrapiso dos corredores de acesso, laterais e fundo do prédio;

- Tratar as juntas de dilatação e recuperá-las;

- Impermeabilizar e recuperar as jardineiras depois da remoção de arbustos (bambu);

- Retirar parte da vegetação (palmeiras) do jardim fronteiriço, pois ela estava sobrecarregando a laje sobre a garagem.

A síndica Mila Fernandes promoveu depois testes de estanqueidade com lâmina d’água em alguns setores (como nas floreiras), bem como laudo termográfico (com o uso de câmera com sensores de infravermelho) nos ralos e nos seus pontos correspondentes na laje da garagem.

Jardim do condomínio

À esq., palmeiras que foram removidas da frente do condomínio para proteger a laje sobre a garagem; à dir., imagem atual do jardim

Com base nas informações decorrentes da inspeção predial de 2018 e dos testes, a síndica obteve um quadro dos pontos com infiltração ativa que o condomínio ainda terá que tratar, alguns dos quais deverão ter injetado um material vedante na fissura a partir da laje do subsolo. Porém, na rampa de acesso ao subsolo, deverá ser refeita a manta asfáltica. “Temos que realizar esses serviços a conta-gotas, pois o condomínio gastou R$ 188 mil na obra anterior, inconclusa e cheia de vícios. Conseguimos, em 2018, reorganizar as contas, mas vamos por etapas para não sobrecarregar os condôminos, porque preciso de rateio extra para tudo”, explica a gestora. O prédio tem 32 unidades e cerca de 30 anos de construção.

Tratamento de piso

À esq., situação do piso com manta aplicada sem proteção mecânica; à dir., área agora recuperada (para concluir o tratamento da superfície, será feita limpeza e aplicado selante à base de poliuretano nas juntas)


Matéria publicada na edição - 265 - mar/2021 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.