Elevadores: Valorização do Patrimônio

Escrito por 

Máquinas renovadas, conforto que vale ouro

Piscina, churrasqueira, playground, salão de festas, sala de ginástica são espaços essenciais para os condomínios e devem estar em perfeitas condições de uso. Porém, são os elevadores que jamais podem apresentar defeitos, mas, como qualquer equipamento, estão sujeitos a falhas. Por isso, manutenção bem cuidada e máquinas modernizadas são fundamentais para a tranquilidade do síndico e a valorização do condomínio.

Rogerio Meneguello, diretor do Seciesp (Sindicato das Empresas de Conservação, Manutenção e Instalação de Elevadores do Estado de São Paulo), afirma: “Depois do apartamento do morador, o segundo maior bem material dele, no prédio, é o elevador. E de que adianta ter um apartamento em local nobre, bem conservado, se o elevador vive quebrado? Um provável comprador chega ao prédio e terá que subir as escadas, ficará preso no elevador ou até irá notar que o elevador tem funcionamento precário. Nesse caso, quanto vale o apartamento? É difícil quantificar o quanto um elevador modernizado valoriza o condomínio, mas certamente ele irá ajudar muito na hora da venda do imóvel.”

Rogério relata que já viu gente se mudar de prédio por causa do mau funcionamento do elevador. Afinal, o equipamento é essencial para o conforto dos moradores. Que o diga a síndica Gladis Safadi. Os dois elevadores do Condomínio Edifício Malvina, construído há 35 anos, constantemente apresentavam problemas técnicos, principalmente desnível no piso. “Tudo era causado pelo desgaste do tempo de uso dos elevadores.” Síndica na terceira gestão, Gladis não teve dúvidas sobre qual obra privilegiaria ao assumir o condomínio pela primeira vez: a reforma dos elevadores. “Depois de um ano como síndica, coloquei a reforma em votação em assembleia. É uma obra cara, mas pagamos em 24 meses, sem problemas. Temos menos falhas e as cabines reformadas, com espelho, aço e laminado de madeira, deram outra impressão para o prédio. Certamente valorizou as unidades.”

O caso do Condomínio Edifício Itororó ilustra ainda mais a importância dos elevadores estarem em perfeita ordem. Carmen Mendes Pagan é síndica desde 1997 e, ao assumir, encontrou os elevadores recém-modernizados. “Porém, os equipamentos de 40 anos haviam recebido apenas maquiagem, ou seja, espelho, piso e um forro de fórmica. Comecei a fazer uma campanha pela troca dos elevadores. Durante seis anos, em uma ou duas reuniões por ano, tentei aprovar a verba, mas os proprietários sempre rejeitavam sob a alegação do rateio ser muito alto”, lembra. Até que a síndica tomou uma medida radical. “A fiação de um dos elevadores simplesmente queimou e não tive dúvidas: acionei a Prefeitura, denunciando o estado dos elevadores. Acompanhei a vistoria do fiscal e recebi a avaliação de que 13 itens importantíssimos estavam reprovados. Não recebemos a multa porque o fiscal entendeu meus motivos para solicitar a vistoria.”

Com o documento comprovando os problemas, a síndica convenceu os moradores que a troca era urgente. “Acredito que o síndico deve estudar bem o processo e optar por elevadores de alto padrão de qualidade. Quanto maior a qualidade menor o custo posterior com manutenção”, finaliza Carmen.

Matéria publicada na Edição 159 - jul/11 da Revista Direcional Condomínios.