Notícias

A proliferação dos espaços de academias nas áreas comuns dos condomínios edilícios traz à tona a velha dúvida acerca da obrigatoriedade da contratação de profissionais de Educação Física para acompanhamento das atividades desenvolvidas nestes ambientes.

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decretou, no mês de agosto de 2018, a Lei Estadual nº 8.070, que dispõe sobre a obrigatoriedade de registro de profissional de Educação Física como responsável técnico nos condomínios edilícios com espaços de academias nas condições que especifica. A referida Lei Estadual foi sancionada pelo governador Luiz Fernando de Souza "Pezão" e publicada no dia 20 de agosto de 2018.

De acordo com o artigo 1º da Lei Estadual nº 8.070/2018, os condomínios edilícios que disponibilizarem espaços de academias deverão registrar responsável técnico junto ao Conselho Regional de Educação Física da 1ª Região – CREF1, quando a atividade física for dirigida e realizada em salas de treinamento físico.
Observa-se, assim, que a própria lei especifica as condições em que os condomínios edilícios serão obrigados a registrar responsáveis técnicos junto ao CREF, quais sejam:

i) quando o condomínio disponibilizar espaço de academia;
ii) quando a atividade física for dirigida; e,
iii) quando a atividade física for realizada em sala de treinamento físico.

Surge, então, a dúvida acerca da necessidade de contratação de profissionais de Educação Física pelos condomínios edilícios que optarem pela disponibilização de espaços de academias e equipamentos para os seus condôminos, mas não oferecerem os serviços de acompanhamento e orientação das atividades físicas, isto é, quando as atividades não forem, efetivamente, dirigidas.

A justificativa do projeto de lei nº 4.027/2018, que deu origem à Lei Estadual nº 8.070, indica que o objetivo do diploma normativo seria "garantir os direitos fundamentais da sociedade fluminense, dentre eles o acesso às práticas saudáveis, sem riscos a sua integridade física e social", além de proporcionar "maior segurança aos condomínios edilícios", uma vez que estes estariam operando "com respaldo profissional do respectivo responsável técnico"(Vide a tramitação do projeto de lei nº 4.027/2018, disponível no website http://www2.alerj.rj.gov.br).

Sendo assim, a redação original do artigo 1º do projeto de lei nº 4.027/2018 determinava que os condomínios edilícios que disponibilizassem espaços de academias deveriam registrar responsável técnico junto ao CREF da 1ª Região, sem mencionar qualquer outra condição ou limitação à referida obrigatoriedade (idem referência acima).

Contudo, após o parecer da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, no sentido da constitucionalidade do projeto de lei com a imposição de emendas ao texto original, o artigo 1º da Lei Estadual nº 8.070/2018 foi aprovado com a sua redação atual, acrescido da expressão balizadora "quando a atividade física for dirigida e realizada em salas de treinamento físico". A lei, no entanto, não esclarece o conceito de atividade física dirigida, permitindo o debate acerca das hipóteses de cabimento e aplicação da norma. De acordo com o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o termo "dirigida" consiste no feminino singular particípio passado do verbo dirigir, que pode significar: "ter a direção de"; "ter poderes ou responsabilidades de administração, de gestão"; ou "orientar um grupo de pessoas" (vide https://dicionario.priberam.org/dirigida; acessado em 10 de janeiro de 2019, às 12:45 horas).A atividade física dirigida, por conseguinte, é aquela administrada, gerida ou orientada por uma terceira pessoa.

O fato da Lei Estadual nº 8.070/2018 só ter sido aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro após a inclusão das condicionantes ("quando a atividade física for dirigida e realizada em salas de treinamento físico") em seu artigo 1º, ademais, deixa clara a intenção do legislador de limitar a aplicação da norma aos casos dos condomínios que ofereçam os serviços de orientação profissional das atividades físicas praticadas pelos condôminos. Em outras palavras, a lei determina que, caso o condomínio decida oferecer o serviço em questão, será obrigado a registrar um responsável técnico junto ao Conselho Regional de Educação Física da 1ª Região.

Por certo, a obrigatoriedade da contratação de professores para o acompanhamento das atividades desenvolvidas particularmente pelos condôminos nas academias dos condomínios configuraria uma limitação indevida à liberdade de utilização das partes comuns pelos condôminos, prevista pelo artigo 1.335, Inciso II, do Código Civil brasileiro:

"Art. 1.335. São direitos do condômino:
II - Usar das partes comuns, conforme a sua destinação, e contanto que não exclua a utilização dos demais compossuidores. (...) "

Tal imposição não apenas limitaria o uso dos espaços de academia aos horários em que existissem professores disponíveis, mas também aumentaria substancialmente os gastos do condomínio, podendo até mesmo inviabilizar a instalação de academias em edifícios de menor porte.

Tratar-se-ia, ademais, de um paternalismo desnecessário, tendo em vista que os condôminos possuem o direito, ratificado pela própria Lei Estadual nº 8.070/2018 (Art. 2º. Fica facultado, a cada condômino, contratar um responsável técnico devidamente registrado no Conselho Regional de Educação Física para orientar a sua atividade física, de contratarem professores de Educação Física (personal trainers) para orientarem, individual e particularmente, as suas atividades físicas nas academias dos condomínios.

Destaca-se, por fim, que o próprio Conselho Federal de Educação Física explica, em seu website (vide, conforme acessado em 10 de janeiro de 2019, às 13:18 horas), que os condomínios só precisarão contratar profissionais de Educação Física quando as atividades da academia forem orientadas, e não quando apenas disponibilizarem o espaço e os aparelhos aos condôminos.

Dessa forma, cabe a cada condômino assumir a responsabilidade pela prática de atividades físicas não supervisionadas nas áreas comuns do condomínio, não tendo a Lei Estadual nº 8.070/2018, salvo melhor juízo, determinado a necessidade de acompanhamento por um profissional de Educação Física nestes casos.

Pedro Henrique Vianna Barbosa é advogado especialista em Direito Condominial e Imobiliário.
Mais informações: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

A 3ª Companhia do 11º Batalhão de Policia Militar Metropolitano, órgão de execução, subordinada ao Comando da Área Central, responsável pelo policiamento ostensivo fardado, está implantando, desde o início do 2º semestre de 2018, o Programa Vizinhança Solidária (PVS) na região da Avenida Paulista e ruas do bairro Jardim Paulista, em São Paulo.

"Se você acha caro o valor cobrado por profissional gabaritado, é porque não faz ideia de quanto custa um incompetente".

Tem um ditado popular que bem exemplifica um tipo muito comum de dificuldade encontrada em condomínios residenciais: “Em busca do ótimo, tem gente que deixa de fazer o bom”. Em recente palestra que ministrei para síndicos, ficou claro que grande parte deles não consegue implementar bom nível de segurança condominial nos prédios que administram, mesmo sendo premente a necessidade de investimentos em equipamentos físicos e eletrônicos e de implementação de novas normas e procedimentos internos.

O 20º Congresso Nacional do Mercado Imobiliário acontecerá em maio de 2020 com organização da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo (AABIC).

Entidade destaca a importância do profissional no desenvolvimento de ações preventivas e de manutenção em prédios e condomínios.

Moradores devem dar atenção aos detalhes na hora de deixar a casa sozinha para o período de férias.

"As empresas de prestação de serviços especializados oferecem treinamento constante para seus funcionários, os quais, vale ressaltar, são contratados formalmente seguindo os preceitos estabelecidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)."

"O Grupo Graiche, empresa que administra mais de 700 condomínios e 4.500 funcionários, faz um alerta sobre a importância das adaptações necessárias para condomínios residenciais e comerciais, principalmente aos imóveis antigos."

Quinta, 22 Novembro 2018 00:00

Condomínios: hora de combater o Aedes Aegypti!

Escrito por

Afim de evitar contaminação de doenças, o condomínio precisa caprichar na limpeza.

Até mesmo smartphones podem ajudar no controle de acesso dos visitantes e moradores neste período de mudança de rotina.

Eles alegaram ser policiais civis em operação para cumprir mandados judiciais e levaram joias, celulares e dinheiro de moradores.

José Roberto Graiche Júnior, presidente da associação, fez avaliação durante abertura do Enacon – Encontro Nacional das Administradoras de Condomínios, realizado no início deste mês de novembro em São Paulo.

Outubro de 2018: Roubos e furtos a condomínios cresceram 56% no Estado de SP neste ano. Segundo dados da Secretaria de Segurança de São Paulo, obtidos por meio da Lei de Acesso, foram 1.300 crimes do tipo entre janeiro e abril contra 832 no mesmo período do ano passado.

O Sindifícios (Sindicato dos Trabalhadores em Edifícios e Condomínios de São Paulo – Capital) conseguiu chegar a um acordo com o sindicato patronal (Sindicond) e assinou, nesta terça-feira (30/10/2018), a Convenção Coletiva da categoria para 2018 - 2019.

Nesta segunda-feira, dia 29/10/2018, a Direcional Condomínios voltou a reunir os dirigentes e as equipes das empresas anunciantes da revista para nova rodada do Treinamento em Vendas e Fechamento de Negócios. O encontro aconteceu no auditório da Abralimp, no bairro de Santa Cecília, em São Paulo (Capital).

Entre as novas áreas da 22ª edição da maior feira de segurança na América Latina, a Ilha São Paulo Inteligente apresentará o projeto de segurança preventiva do Hospital das Clínicas. Mas haverá muitas novidades também para os condomínios, especialmente em videomonitoramento e portarias remotas.

Você sabe o que é acessibilidade e o que representam barreiras arquitetônicas?

Com alcance da internet aumentando, as notícias falsas resultam cada vez mais em inconvenientes.

Avaliação Econômica de Empreendimentos, Vistoria para Recebimento e Entrega de Obras, e Perícia e Valoração Ambiental estão entre os cursos do período

Com mais de 90% de índice de efetivação e mais de 1.200 horas de capacitação, o programa espera aumento de inscrições de estudantes mulheres.

Quarta, 03 Outubro 2018 00:00

Crianças devem morar em condomínios?

Escrito por

São muitas as vantagens para pais que optam pelo condomínio na criação de seus filhos.

Especialistas alertam sobre as regras de boa convivência em tempos de eleições.

O Enacon será realizado nos dias 7 e 8 de novembro, na sede do Secovi-SP. Entre os palestrantes, estão o jornalista José Nêumanne Pinto, o empresário Alexandre Frankel, a consultora Martha Gabriel, os especialistas Fernando Kimura e Pedro Calabrez, o filósofo Luiz Felipe Pondé e a Monja Coen.

Programa de responsabilidade social "Mover" possibilita funcionários da multinacional a serem voluntários.

A vida em condomínio tem vantagens e desvantagens, mas saber conviver em grupo respeitando os limites dos outros é fundamental para a criação de um ambiente favorável a todos.

Em primeiro lugar, para abordarmos esse tema, vamos entender o que significa o eSocial: Trata-se de um projeto do Governo Federal que tem como objetivo unificar o envio de informações da empresa com relação aos empregados, bem como autônomos e/ou síndicos, unificando a prestação das informações referente à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas.

O incêndio e desabamento de um prédio de 24 andares na região do Largo do Paissandu, no Centro de São Paulo, chocou o País.

Feira reuniu representantes do mercado de controle de vetores e pragas urbanas e teve participação da revista Direcional Condomínios.

Durante o ENCOAD 2018, a Profa. Rosely Schwartz apresentará um balanço das mudanças no perfil da gestão dos condomínios. O encontro está programado para às 19h30 do dia 27/09/2018, em SP (Capital).

O advogado Cristiano De Souza Oliveira e o Instituto Proordem, de Santo André (SP), iniciarão curso dia 09/10 (terça-feira), em Santo André (SP).

O tema do evento foi "Responsabilidades dos síndicos, administradores e empresas de manutenção de elevadores. Mercado, legislação e normas" e reuniu gestores, dirigentes, empresários e técnicos do setor, diretores do Segur (Prefeitura de São Paulo) e a vereadora Edir Sales.

Quinta, 30 Agosto 2018 00:00

Direcional Condomínios na Expoprag

Escrito por

A revista Direcional Condomínios está participando da Expoprag 2018, maior encontro da América Latina do mercado de controle de vetores e pragas urbanas.

Uma prova de corrida e caminhada entre moradores de condomínios aconteceu na manhã deste domingo, dia 26 de agosto de 2018, com largada às 7h30, no Parque Cândido Portinari, ao lado do Villa Lobos, na zona Oeste de São Paulo (SP).

"Um teto desaba e mata uma personagem da novela do horário nobre global porque o prédio foi construído com areia da praia. Ficção? Sim, mas é a vida real também. Por isso, a Abratec - Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Construção Civil - alerta: Os consumidores devem ficar atentos e exigir controle de qualidade total da obra."

Sexta, 24 Agosto 2018 00:00

O avanço da biometria em condomínios

Escrito por

Registros de moradores, visitantes e prestadores de serviços permitem minimizar os riscos e as falhas humanas.



PDF Revista Direcional Condomínios