Terça, 15 Janeiro 2019 00:00

PM faz balanço do Programa Vizinhança Solidária no Jardim Paulista, em SP

Por

A 3ª Companhia do 11º Batalhão de Policia Militar Metropolitano, órgão de execução, subordinada ao Comando da Área Central, responsável pelo policiamento ostensivo fardado, está implantando, desde o início do 2º semestre de 2018, o Programa Vizinhança Solidária (PVS) na região da Avenida Paulista e ruas do bairro Jardim Paulista, em São Paulo.

Ao se falar da real eficácia e eficiência do programa realizamos o controle dos indicadores criminais nos locais onde foram implantados o PVS e tivemos a grata notícia, ao compararmos o segundo semestre de 2017 com o segundo semestre de 2018, de diminuir 60% dos indicadores criminais. Assim, pelo registro da CAPS em 2017, tivemos a quantidade de 2.329 crimes registrados e, no mesmo período de 2018, tivemos 920 registros da prática de crimes. “Trocando em miúdos”, como o dito popular, salvamos 1409 pessoas de serem vítimas da criminalidade, tudo em razão da conscientização e participação ativa da comunidade local em segurança primária.

Hoje contamos com a parceria no PVS em 33 ruas do bairro. O Programa já se encontra implantado em 139 condomínios, 20 pontos de comércio, 22 residências e 2 igrejas, totalizando a adesão de 22.065 pessoas da comunidade.

Outro grande sucesso dessa integração são as capacitações em cidadania dadas por policiais militares da 3ª Cia do 11º BPM/M aos profissionais que cuidam diuturnamente do controle de acesso dos prédios residenciais. Essa capacitação tem o objetivo de instruir o profissional (porteiros, zeladores, síndicos) da sua importância quanto à identificação de condutas estranhas à vida e rotina dos condôminos e, também, como e qual a melhor forma de acionar e passar as informações de um crime via 190. Atualmente, 115 profissionais já foram capacitados e temos mais de 200 interessados nessa capacitação.

A implantação do PVS ocorre gradativamente de forma que os princípios basilares do programa sejam assimilados construtivamente pela comunidade local.

A base dessa nova ideia de policiamento é a integração Polícia e Sociedade, cujas medidas simples de prevenção primária são discutidas em reuniões, mensagens e difusão de dicas de segurança por meio de redes sociais. Assim, a comunidade começa a exercer seu papel constitucional referente a sua responsabilidade como cidadã em relação à Segurança Pública.

A experiência de integração com a comunidade está cada vez mais colhendo frutos, isso é facilmente comprovado através da procura da comunidade em demonstrar interesse na implantação do programa em suas respectivas ruas.

Estar à disposição da comunidade é uma missão constitucional, mas, ao mesmo tempo, é um desafio, porém quando nos dispomos a conversar e em conjunto a acharmos um denominador comum, o sucesso é praticamente garantido, pois “Verba mollia et efficacia (“As boas palavras custam pouco e valem muito!!!).