Domingo, 14 Abril 2019 00:00

Como enfrentar o conflito em condomínios

Por

"Os conflitos naturais tornam–se cada vez mais frequentes e violentos, pois se tem a ilusão de que com a violência verbal, e até mesmo física, se consegue o que se deseja, impondo ao outro sua opinião. (...) A mediação de conflitos é um procedimento que pode auxiliar muito nesse momento crítico."

O conflito é a luz e a sombra, perigo e oportunidade, estabilidade e mudança, fortaleza e debilidade, o impulso para avançar e o obstáculo que se opõe. Todos os conflitos contêm a semente da criação e da destruição.

Partindo desta ideia de conflito chegamos à condição humana, que são as nossas divergências de interesses. A grande questão é como estamos lidando com as divergências, em especial no núcleo familiar, nosso primeiro meio social, e depois nas nossas demais relações sociais.

O que estamos vivendo atualmente são essas relações básicas se deteriorando, o que leva a um ciclo infinito e degradante.

Os conflitos naturais tornam–se cada vez mais frequentes e violentos, pois se tem a ilusão de que com a violência verbal, e até mesmo física, se consegue o que se deseja, impondo ao outro sua opinião.

Dentro dos condomínios esses conflitos cada dia mais preocupam, já que para se viver em comunidade é necessário um mínimo de civilidade. Assim, enquanto síndico, como proceder? Como manter a boa convivência dentro do condomínio?

A mediação de conflitos é um procedimento que pode auxiliar muito nesse momento crítico. Procedimento que pode ajudar na melhoria e reversão desse quadro triste em que vivemos. Mas como a mediação pode transformar isso? Através do esclarecimento e compreensão das questões reais de cada um, estimulando o diálogo sincero, claro e objetivo com todos os envolvidos no processo. Na mediação todos são iguais, todos têm direitos e deveres, enfim todos são responsáveis, há equidade de valores, não há ganhador, são todos que ganham qualidade de vida.

A mediação favorece a comunicação sem interferência, a comunicação "limpa" com os envolvidos, encontrando o caminho que satisfaça a todos, sem preferência, sem vencedor. Todos têm oportunidade de se expressarem e demonstrarem seus pontos de vista, sem preconceito, sem pré-julgamentos.

A mediação proporciona um relacionamento melhor, onde a vida continua dali para frente, sem ranços nem mágoas (enfoque prospectivo). Pacificando o relacionamento de todos, há uma melhoria imediata nos relacionamentos entre pais/filhos, família/vizinhos, síndico/família, síndico/funcionários, família/funcionários, onde todos conseguem conviver com a diversidade, de maneira harmônica e respeitosa. Há melhora na qualidade de vida de todos nesse pequeno núcleo social, onde todos são valorizados enquanto seres humanos e não mais um na conta final. Esse tipo de relacionamento leva a amadurecimento, respeito pela opinião do outro e consequente melhor qualidade de vida.

A mediação de conflitos promove a pacificação social em todos os níveis, pois comportamento gera comportamento.

Jussara Rodrigues Sartini é psicóloga clínica, mediadora de conflitos, perita forense em psicologia, ouvidora. Atua ainda como instrutora, supervisora e coordenadora de cursos de capacitação de conciliadores e mediadores judiciais e privados na Mediata Soluções Técnicas em Mediação Ltda - Me.
Mais informações: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .