Sexta, 07 Fevereiro 2020 00:00

Custos condominiais fecham 2019 com elevação de 5,41% em SP, mas abaixo da inflação

Por

Percentual apurado pelo Secovi-SP ficou abaixo da inflação do período medida pelo IGP-M, que foi de 7,30%.

Conforme apurado pelo departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), o Índice de Custos Condominiais (Icon) na Região Metropolitana de São Paulo registrou aumento de 5,41% no acumulado de 12 meses, referente ao período de janeiro a dezembro de 2019. O índice ficou abaixo da inflação do mesmo período que, de acordo com o IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado), da Fundação Getúlio Vargas, foi de 7,30%.

Os itens Pessoal e Encargos e Tarifas mantiveram-se estáveis durante o mês de dezembro, mas subiram, em 12 meses, 4,32% e 7,19%, respectivamente. O item Conservação e Limpeza registrou elevação de 1,78% no mês e de 6,84% em 12 meses. Os grupos Manutenção de Equipamentos e Diversos foram os que apresentaram maiores reajustes, ambos com elevação de 2,09% no mês e de 7,32% no acumulado de 12 meses.

O Icon serve como parâmetro das variações de custos dos condomínios residenciais, mas não deve ser utilizado como índice de reajuste da taxa condominial.

De acordo com Hubert Gebara, vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP, o síndico deve consultar a administradora contratada para, em conjunto, verificar os aumentos reais dos custos do seu condomínio. "Cada prédio tem características e estruturas próprias, que devem ser respeitadas, para que não ocorram desequilíbrios nas contas e os condôminos sejam prejudicados", ressalta Gebara.