Terça, 30 Abril 2019 00:00

O prestador de serviços do condomínio sumiu, e agora?

Escrito por 

Essa triste situação ocorreu em um condomínio localizado na zona Norte de São Paulo, em uma obra de impermeabilização de toda a área térrea comum. O prazo acordado para a sua execução era de seis meses e seria pago um sinal de 20%, com o restante em nove parcelas.

Após dois meses de obra, porém, o dono da empresa começou a pressionar o síndico, alegando que precisava pagar os funcionários em dia para não paralisar os serviços. E seguiu pedindo valores maiores do que as parcelas combinadas. O síndico, temendo prejudicar o cronograma, passou a fazer pagamentos semanais à empresa, o que se estendeu por dois meses até que o prestador desaparecesse do condomínio e da cidade.

A situação se tornou mais desesperadora quando o síndico percebeu que já havia pago 70% dos serviços e que a empresa não havia realizado mais que a metade dos trabalhos. Foi preciso convocar uma assembleia emergencial para informar os condôminos sobre o ocorrido, bem como sobre a necessidade de se contratar outra empresa para concluir a impermeabilização e fazer novo rateio, dado que o valor já levantado não seria mais suficiente. Os condôminos, inconformados, resolveram processar o síndico pela má gestão da obra, uma vez que vários cuidados não tinham sido adotados antes da sua contratação.

Alguns deles poderiam, pelo menos, ter minimizado a situação. Esses cuidados são:   

1 - Realizar levantamento cadastral de todas as empresas que farão parte da licitação e que serão apresentadas em assembleia para a escolha daquela que irá realizar o serviço: Junto ao Ministério do Trabalho, Junta Comercial, Cartório de Protesto, Justiça Federal e Estadual, Fazenda Municipal e até sites como o Reclame Aqui;

2 - Verificar o tempo de atuação da empresa no mercado;

3 - Dispor de um escopo único para a cotação dos serviços, de preferência realizado por um profissional especializado e independente, que não fará parte da execução da obra;

4 - Pedir às empresas endereços e telefones de clientes com mais de dois anos de atendimento. Ir até esses locais e conversar com os síndicos, funcionários e alguns moradores;

5 - Avaliar os custos das várias empresas, que deverão enviar uma planilha detalhada de cada um deles, além do cronograma com os prazos para a realização da obra;

6 - Mencionar de forma clara no contrato que os pagamentos serão proporcionais e realizados após a medição e avaliação do cronograma acordado; 

7 - Exigir que o Contrato de Prestação de Serviço seja bastante detalhado e que inclua tudo que foi acordado, inclusive os compromissos verbais;

8 - Realizar levantamento dos antecedentes dos funcionários que irão trabalhar no condomínio;

9 - Requerer cópia das folhas do Livro de Registro de Empregado, comprovando o registro do funcionário;

10 - Pedir todos os meses que a empresa apresente folha de pagamento distinta para cada estabelecimento, contendo o nome dos segurados que prestaram serviço ao condomínio, cargo ou função, remuneração, descontos legais e a respectiva GFIP (Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social); e,

11 - Solicitar o comprovante do seguro dos funcionários que irão trabalhar no condomínio.

Outra precaução importante ao síndico é procurar negociar o menor sinal possível e evitar o pagamento à vista, mesmo que o valor aparente ser vantajoso financeiramente, dado o risco que ele assumirá se a obra não for realizada ou que não tenha a qualidade esperada.

Mesmo adotando essas cautelas, não há como o síndico afastar totalmente o risco de que fatos indesejáveis venham a ocorrer durante e/ou após uma obra. Entretanto, ele evitará ser responsabilizado por omissão, negligência ou imprudência, tendo provas de que fez tudo o que podia para evitar transtorno aos condôminos.


Matéria publicada na edição - 245 - maio/2019 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.

Rosely Benevides de Oliveira Schwartz

Coordenadora e Professora do Curso de Administração de Condomínios e Síndico Profissional  da FECAP (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado), no formato presencial e online  (www.ocondominio.com.br). Autora do livro “Revolucionando o Condomínio” (Ed. Saraiva, 15a Edição). É coordenadora do GEAC (Grupo de Excelência em Administração de Condomínios), ligado ao CRA-SP (Conselho Regional de Administração).
Mais informações: rosely@ocondominio.com.br.